Porto Alegre, quarta-feira, 30 de dezembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 30 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Violência contra a mulher

- Publicada em 19h48min, 30/12/2020.

CNJ quer tipificar stalking e pena maior para ameaças e violências contra mulheres

Grupo de trabalho estuda aumento das penas dos crimes de ameaça, injúria e lesão corporal no contexto da violência doméstica

Grupo de trabalho estuda aumento das penas dos crimes de ameaça, injúria e lesão corporal no contexto da violência doméstica


DRAGANA GORDIC/FREEPIK/JC
Após os feminicídios que marcaram a última quinzena de 2020, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sistematizou uma série de propostas para reforçar o enfrentamento à violência contra a mulher. O grupo de trabalho da instituição que estuda a violência de gênero defende mudanças na legislação, como a tipificação do crime de stalking - perseguição reiterada e obsessiva - e o aumento das penas dos crimes de ameaça, injúria e lesão corporal no contexto de violência doméstica.
Após os feminicídios que marcaram a última quinzena de 2020, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sistematizou uma série de propostas para reforçar o enfrentamento à violência contra a mulher. O grupo de trabalho da instituição que estuda a violência de gênero defende mudanças na legislação, como a tipificação do crime de stalking - perseguição reiterada e obsessiva - e o aumento das penas dos crimes de ameaça, injúria e lesão corporal no contexto de violência doméstica.
"Na maioria dos casos, esses crimes antecedem a prática de feminicídios e precisam encontrar uma resposta penal adequada, numa tentativa de se impedir a escalada da violência", aponta a coordenadora do grupo de trabalho e conselheira do CNJ, Tânia Regina Silva Reckziegel. Desde novembro, o grupo identifica os projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional que tratam das matérias mais urgentes para combater a violência contra as mulheres. A tipificação do stalking, por exemplo, foi aprovada pela Câmara no início do mês, sendo que o texto segue para avaliação do Senado. Segundo o CNJ, esse trabalho de acompanhamento tem relação com uma nota técnica a ser encaminhada ao Legislativo sugerindo tramitação prioritária de alguns itens.
As propostas de mudanças na legislação foram debatidas em reunião extraordinária realizada no dia 26 de dezembro, dois dias após o assassinato a facadas da juíza Viviane do Amaral, na frente das três filhas, que têm entre 7 e 9 anos. As informações foram divulgadas pelo Conselho. Na ocasião, o grupo de trabalho do CNJ também discutiu a revisão na execução das penas por crimes praticados contra a mulher, em razão do gênero, e avalia que é necessário ampliar as possibilidades de decretação de prisão preventiva do agressor nos casos dos crimes citados.
Outra questão debatida foi a necessidade de reforçar as estruturas das unidades judiciárias que atuam com a violência doméstica, com equipes próprias de psicólogos e assistentes sociais para qualificar o atendimento às mulheres vítimas de violência. Nessa linha, o CNJ avalia ainda incluir a capacitação em gênero como componente curricular obrigatório dos cursos de formação inicial de juízes, estendida também a servidores que atuam nos primeiros e segundos grau de jurisdição com a aplicação da Lei Maria da Penha, nas áreas criminal, de família e da infância e juventude.
Segundo o grupo de trabalho que estuda a violência de gênero, o conselho também deve regulamentar a obrigatoriedade da criação dos Comitês de Gênero nos tribunais e das Ouvidorias da Mulher, "buscando assegurar de modo permanente a promoção da equidade de gênero e a fiscalização efetiva da implementação". A conselheira Tânia Reckziegel apresentou ainda proposta da criação de uma Frente Nacional de Combate à Violência contra as Mulheres, envolvendo o Executivo, Legislativo e Judiciário, além do Ministério Público, da Defensoria Pública, da Ordem dos Advogados do Brasil e de representantes da sociedade civil.
O CNJ frisou ainda que, no âmbito do Judiciário, será reforçada a divulgação do Formulário Nacional de Avaliação de Risco, instituído em março. O documento conta com perguntas diretas e objetivas a serem respondidas pelas equipes de segurança pública e que ajudam a própria vítima a entender a situação, ao identificar os fatores de risco de feminicídio.
Comentários CORRIGIR TEXTO