Porto Alegre, terça-feira, 24 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 24 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Crimes cibernéticos

- Publicada em 15h11min, 21/11/2020. Atualizada em 16h05min, 24/11/2020.

Digitalização e cyber segurança das empresas acelerou com a pandemia de coronavírus

Diretores afirmaram que ajustarão sua estratégia por causa da Covid-19

Diretores afirmaram que ajustarão sua estratégia por causa da Covid-19


PORTALGDA VIA VISUALHUNT,COM/DIVULGAÇÃO/JC
Uma pesquisa da consultoria PwC aponta que a pandemia da Covid-19 acelerou entre dois e três anos os planos quinquenais das empresas para as áreas digitais. A Global Digital Trust Insights Survey 2021 mostra também o amadurecimento da segurança cibernética, que está prestes a completar 40 anos.
Uma pesquisa da consultoria PwC aponta que a pandemia da Covid-19 acelerou entre dois e três anos os planos quinquenais das empresas para as áreas digitais. A Global Digital Trust Insights Survey 2021 mostra também o amadurecimento da segurança cibernética, que está prestes a completar 40 anos.
Foram ouvidos 3.249 executivos de negócios e tecnologia de 44 países, entre eles 109 no Brasil. Nos três primeiros meses da pandemia, 40% dos diretores de empresas disseram que suas organizações aceleraram a digitalização de processos para fomentar o crescimento; 39% implantaram o trabalho remoto em tempo integral para mais trabalhadores, e 37% apontaram um maior peso na qualidade da infraestrutura de Tecnologia da Informação (TI) e telecomunicações nas decisões.
Entre as medidas adotadas, também foram citadas a preocupação com a saúde digital, a automação industrial e robótica, o avanço no comércio eletrônico, robôs de bate-papo para atendimento ao cliente, entretenimento baseado em realidade virtual, cozinha em nuvem, que são os serviços de alimentação apenas para entregas, e fintechs, os serviços financeiros digitais.
A pesquisa mostra que as ambições digitais das empresas dispararam. Enquanto 21% disseram estar mudando seu modelo de negócio principal e redefinindo suas organizações, chamados de "redefinidores", outros 18% estão entrando em novos mercados ou setores, os "exploradores".
"Ambas as categorias dobraram desde nossa pesquisa do ano passado. Fazer as coisas com mais rapidez e eficiência é a principal ambição digital para 29% dos executivos (‘buscadores de eficiência’), enquanto 31% estão se modernizando com novos recursos (‘modernizadores’). Mais de um terço - 35% - dizem que estão acelerando a automação para cortar custos, o que não é surpresa em um momento em que as receitas estão baixas", consta no documento.

Diretores pensam ajustar estratégias de segurança cibernética

Sobre a segurança na rede, 96% dos diretores afirmaram que ajustarão sua estratégia por causa da Covid-19 e 50% estão mais propensos a considerar a segurança cibernética em todas as decisões de negócios, o que representa um aumento de 25% em relação à pesquisa feita no ano passado.

Entre os executivos de tecnologia e segurança ouvidos, 55% planejam aumentar seus orçamentos de segurança cibernética e 51% pretendem manter uma equipe em tempo integral em 2021, apesar de 64% estarem com a expectativa de queda nas receitas. Porém, 55% demonstram falta de confiança de que as ações de segurança cibernética estejam alinhadas aos riscos efetivos e 58% não estão confiantes de que os orçamentos forneçam controles adequados sobre as novas tecnologias ameaçadoras.

Segundo a pesquisa, a expectativa é que sejam preenchidas 3,5 milhões de vagas de empregos no setor de segurança cibernética em 2021 em todo o mundo. Entre os requisitos para a contratação, foram citadas pelos executivos as habilidades analíticas (47%), habilidades de comunicação (43%), pensamento crítico (42%) e criatividade (42%).
Comentários CORRIGIR TEXTO