Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de agosto de 2019.
Dia Nacional do Bancário.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 28/08/2019.
Alterada em 28/08 às 03h00min
COMENTAR | CORRIGIR

Produtores levam geleia de café e queijo em conserva

Marejane Dall'ondel de Toni, da agroindústria Casa da Serra, de Bento Gonçalves, está produzindo geleia de café.

Marejane Dall'ondel de Toni, da agroindústria Casa da Serra, de Bento Gonçalves, está produzindo geleia de café.


/JACKSON CICERI/ESPECIAL/JC
Mauro Belo Schneider e Giana Milani
Desenvolvida para harmonizar com queijos, uma geleia de café está estreando na Expointer este ano. A produtora Marejane Dall'onder de Toni, da agroindústria Casa da Serra, de Bento Gonçalves, lançou a novidade após pesquisas.
Marejane foi desafiada a criar a iguaria pois um de seus pontos de venda, na Serra, é a Casa do Queijo, nos Caminhos de Pedra. Como a recepção por lá deu certo, resolveu levar o item para o Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio. "Nos primeiros três dias, vendemos quase 30 potes", conta ela. O valor na feira é de R$ 15,00 para 245g.
O café, moído na hora da produção por Marejane e suas duas filhas, vem do Mato Grosso. "Levei um baile para acertar o ponto da receita", confessa a empreendedora.
Em Bento, ela está construindo uma loja, também nos Caminhos de Pedra, perto da Casa da Ovelha. No local, que deve ser inaugurado dentro de seis meses, pretende vender as geleias, vinhos e café colonial. Até o fim da Expointer, o doce com café pode ser encontrado no Pavilhão da Agricultura Familiar.
 

Queijo no pote de azeite

Anekeli Ertmann, de Riozinho, teve a ideia de produzir o produto em conserva
Anekeli Ertmann, de Riozinho, teve a ideia de produzir o produto em conserva
/JACKSON CICERI/ESPECIAL/JC

Ao participar de uma feira em Porto Alegre, em dezembro, Anekeli Ertmann foi avisada que teria que levar um produto diferente para expor. Através de pesquisas e de testes com amigos, ela chegou ao resultado final: queijo colonial em conserva. "Já tinha visto queijo de leite de cabra em conserva. Por que não queijo colonial?", indaga. O processo consta em picar o queijo e colocar em mistura de 60% de azeite de oliva e 40% de óleo de girassol.

"Não é preciso deixá-lo em banho-maria", acrescenta. "O azeite pode ser reaproveitado em saladas, fica saborizado". Outra vantagem é que o queijo não seca, prolongando a durabilidade.

O item, de acordo com a produtora, tem feito sucesso no Pavilhão da Agricultura Familiar, na Expointer. Em apenas três dias de evento, ela contabiliza a venda de 72 unidades, a R$ 30,00 cada. Por enquanto, além das feiras, o queijo colonial em conserva pode ser encontrado na cidade de Riozinho, onde fica a agroindústria JCA Derivados de Leite, na qual o marido de Anekeli cuida do gado leiteiro.

A JCA foi criada há três anos pelo casal para ser uma opção de sucessão para que os três filhos não deixassem o campo.

GeraçãoE promove evento gratuito para empreendedores na Expointer

A Casa do JC na Expointer recebe, nesta quinta-feira, um evento organizado pelo GeraçãoE para falar sobre a importância das pausas no dia a dia do empreendedor. Moyses Costa, presidente da Abradi-RS e proprietário da Ondaweb, e Luciana Bueno, jornalista que trabalha a comunicação aliada à prática de yoga dentro das empresas, debaterão o assunto.

O evento ocorre às 10h e é aberto ao público que estiver na Expointer (inscrições pelo e-mail eventos@jornaldocomercio.combr). No encontro, Luciana fará uma demonstração da modalidade.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia