Porto Alegre, sexta-feira, 23 de julho de 2021.
Porto Alegre,
sexta-feira, 23 de julho de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Pandemia

- Publicada em 23h01min, 23/07/2021.

Para combate à pandemia, Governo Federal proíbe exportação de agulhas, seringas e diluentes

Decreto concede ao Executivo prerrogativa de impedir venda de itens médicos, hospitalares e de higiene essencial para beneficiar políticas púbicas contra a covid-19

Decreto concede ao Executivo prerrogativa de impedir venda de itens médicos, hospitalares e de higiene essencial para beneficiar políticas púbicas contra a covid-19


CRISTINA QUICLER/AFP/JC
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) incluiu agulhas, seringas e diluentes na lista de produtos cuja exportação está proibida em razão da crise sanitária provocada pela pandemia do novo coronavírus. A alteração ocorreu por meio de edição do decreto que regulamenta a Lei nº 13.993, sancionada em abril de 2020. O texto concede ao Executivo prerrogativa de impedir venda de itens médicos, hospitalares e de higiene essencial em benefício de política de combate à disseminação da covid-19.
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) incluiu agulhas, seringas e diluentes na lista de produtos cuja exportação está proibida em razão da crise sanitária provocada pela pandemia do novo coronavírus. A alteração ocorreu por meio de edição do decreto que regulamenta a Lei nº 13.993, sancionada em abril de 2020. O texto concede ao Executivo prerrogativa de impedir venda de itens médicos, hospitalares e de higiene essencial em benefício de política de combate à disseminação da covid-19.
O Planalto informou, por meio da Secretaria Especial de Comunicação da Presidência da República (Secom), autoridades de saúde requisitaram a inclusão dos materiais em questão no rol de produtos proibidos de serem comercializados com o exterior por serem necessários ao cumprimento das etapas do Plano Nacional de Vacinação.
"O decreto se alinha às regras e princípios constitucionais ligados à proteção da saúde como direito fundamental ao adotar medida para a preservação da saúde da população brasileira e garantir a atuação do Poder Público no combate à pandemia de covid-19 no país", disse o órgão em nota.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário