Porto Alegre, sexta-feira, 19 de março de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 19 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 11h07min, 19/03/2021. Atualizada em 14h38min, 19/03/2021.

Hospital de Campo Bom registra seis mortes de pacientes após problema com oxigênio

Segundo a SES, os óbitos ocorreram por uma falha no sistema de distribuição de oxigênio

Segundo a SES, os óbitos ocorreram por uma falha no sistema de distribuição de oxigênio


Hospital Lauro Reus/Divulgação/JC
Luciane Medeiros
Seis pessoas morreram no Hospital Lauro Reus de Campo Bom devido a uma falha no sistema de distribuição de oxigênio. A Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul (SES) informou que, ao saber do ocorrido, imediatamente acionou o hospital, que opera atualmente com capacidade próxima a 300% acima da média. A instituição, cuja gestão é feita pela Associação Beneficente São Miguel, confirmou para a Secretaria os seis óbitos mas disse que a causa seria o problema na distribuição de oxigênio, e não a falta dele.
Seis pessoas morreram no Hospital Lauro Reus de Campo Bom devido a uma falha no sistema de distribuição de oxigênio. A Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul (SES) informou que, ao saber do ocorrido, imediatamente acionou o hospital, que opera atualmente com capacidade próxima a 300% acima da média. A instituição, cuja gestão é feita pela Associação Beneficente São Miguel, confirmou para a Secretaria os seis óbitos mas disse que a causa seria o problema na distribuição de oxigênio, e não a falta dele.
"Não houve em momento algum falta de oxigênio aos pacientes, devido à rápida ação da equipe assistencial, que acionou imediatamente o Plano de Contingência - em decorrência de uma instabilidade na rede central de distribuição de oxigênio (O²) que durou aproximadamente 30 min", esclareceu a direção da Unidade de Saúde do hospital, em nota à reportagem do Jornal do Comércio.
Segundo a Instituição, no período entre 08h10min e 08h40min da manhã desta sexta-feira (19) haviam 26 pacientes em ventilação mecânica na UTI e Emergência. "Considerando os fatos, foi imediatamente instaurada uma sindicância para verificar as possíveis causas da instabilidade temporária na central de Oxigênio (O²)", informa complementa a nota da direção da Unidade de Saúde.
Preocupada com a falta de oxigênio nos hospitais gaúchos, a SES informou que "oficiou todas as unidades hospitalares para que fosse mantido um estoque mínimo de oxigênio, suficiente para uma semana". Além disso, uma nova remessa de 27.225 frascos de medicamentos do chamado kit intubação, adquiridos pelo governo do Estado, estão sendo entregues desde esta quinta-feira (18) para 30 hospitais gaúchos que relatavam possível desabastecimento desses insumos.
Os medicamentos Atracúrio, Etomidato e Morfina são remédios utilizados para realizar o procedimento de intubação para respiração mecânica de pacientes em Unidades de Tratamento Intensivo (UTI). Os hospitais beneficiados foram os que relataram estoque crítico desses insumos, frente ao aumento da demanda de pacientes em condições graves de Covid-19 e a dificuldade de aquisição no mercado privado. O Lauro Reus não consta na lista dos que receberam os medicamentos.
Comentários CORRIGIR TEXTO