Porto Alegre, quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 16h37min, 18/02/2021. Atualizada em 17h03min, 18/02/2021.

RS registra mais 130 mortes por Covid-19 e pressão por leitos aumenta

Hospitais como o Clínicas estão aumentando o número de leitos para dar conta de novos casos

Hospitais como o Clínicas estão aumentando o número de leitos para dar conta de novos casos


MARCO QUINTANA/CIDADES
A pandemia fez mais 130 vítimas fatais no Rio Grande do Sul, segundo a atualização feita pela Secretaria Estadual da Saúde (SES) nesta quinta-feira (18). Com isso, os óbitos chegam a 11,6 mil em 11 meses de crise sanitária no Estado. Outro dado que chama a atenção é o aumento da ocupação de UTIs, que alcançou 82%, quase três pontos percentuais acima do quadro dessa quarta-feira (17).
A pandemia fez mais 130 vítimas fatais no Rio Grande do Sul, segundo a atualização feita pela Secretaria Estadual da Saúde (SES) nesta quinta-feira (18). Com isso, os óbitos chegam a 11,6 mil em 11 meses de crise sanitária no Estado. Outro dado que chama a atenção é o aumento da ocupação de UTIs, que alcançou 82%, quase três pontos percentuais acima do quadro dessa quarta-feira (17).
O total de casos encosta em 600 mil registros, com 4,4 mil novos casos. O número de óbitos reflete ocorrências em diversos dias em fevereiro. Muitos podem ter ficado represado nos dias do Carnaval.  
A demanda de casos para hospitais continua ascendente. Dos 2,2 mil casos em UTIs, 988 são de confirmados com Covid-19 e há ainda 178 suspeitos. Somando as duas condições (com e ainda em investigação para o novo coronavírus), são 1.166 pacientes, respondendo por 53% dos leitos ocupados. 
O crescimento de internações clínicas, que são casos em enfermarias ou mesmo em emergências à espera de leitos de UTI, soma 1,6 mil casos, além de 567 com suspeita de Covid-19. A ampliação desses registros já gerou alerta do Gabinete de Crise, associando ao maior nível de transmissão do novo coronavírus.
Autoridades de Saúde advertiram que a aceleração de internações pode implicar em maior maior pressão por vagas em UTIs, pois muitos pacientes podem ter complicações e necessitarem de cuidados intensivos.  
Em Porto alegre, as UTIs atingem 92,5% de ocupação, uma das mais elevadas desde agosto de 2020, quando houve o maior nível de lotação associado à pandemia. São 319 casos de Covid-19  e 52 suspeitos, somando 371 pessoas. Mais de 50% das vagas ocupadas em UTIs estão com doentes infectados pelo novo coronavírus ou suspeitos.
Quatro hospitais estão com 100% de ocupação. São eles Moinhos de Vento, São Lucas, Mãe de Deus e Restinga. Pela manhã, o Vila Nova também estava, mas reduziu a 92%. O Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), que tem 94% de lotação, vai abrir mais sete vagas na unidade intensiva de Covid e seis na enfermaria. Nessa quarta, o HCPA suspendeu cirurgias.  
A evolução dos registros e do uso da capacidade hospitalar começa a gerar advertência de epidemiologistas, como Paulo Petry, da Ufrgs, que vê "perspectiva sombria" para a pandemia e defende que devem ser tomadas medidas mais fortes para que as pessoas adotem os cuidados (uso de máscara e distanciamento). Petry também opinou que devem ser suspensas as aulas presenciais.
Comentários CORRIGIR TEXTO