Porto Alegre, sexta-feira, 29 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 29 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 20h51min, 29/01/2021. Atualizada em 21h02min, 29/01/2021.

Ministério da Saúde confirma compra de mais 54 milhões de doses da Coronavac

Antes da resposta, o Butantan chegou a cogitar a exportação de doses, caso não houvesse compra

Antes da resposta, o Butantan chegou a cogitar a exportação de doses, caso não houvesse compra


NELSON ALMEIDA/AFP/JC
O Ministério da Saúde confirmou, nesta sexta-feira (29), que efetivará a compra de mais 54 milhões de doses da Coronavac, vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac e produzida no Brasil pelo Instituto Butantan.
O Ministério da Saúde confirmou, nesta sexta-feira (29), que efetivará a compra de mais 54 milhões de doses da Coronavac, vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac e produzida no Brasil pelo Instituto Butantan.
O lote se somará as 46 milhões de unidades do imunizante já adquiridas pelo governo federal.
Em nota divulgada na noite desta sexta, a pasta afirmou que "irá firmar o contrato de compra das doses junto à Fundação Butantan na semana que vem" e ressaltou que "está solicitando a antecipação do registro da vacina junto à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), para ampliar a vacinação para toda a população brasileira". Por enquanto, a Coronavac tem apenas autorização para uso emergencial.
O Butantan e o governo paulista vinham pressionando o ministério desde o início desta semana pela confirmação do novo contrato. O diretor do instituto, Dimas Covas, chegou a afirmar que, se o ministério não efetivasse a compra, iria exportar as doses excedentes a países da América Latina.
Dias depois, o governador João Doria afirmou que, caso o governo federal não manifestasse interesse até semana que vem, as doses poderiam ser vendidas para Estados e municípios.
O Ministério da Saúde justificava que, por contrato, tinha até maio para decidir sobre a compra do novo lote. A pressão de governadores e prefeitos e as críticas de especialistas sobre a demora na definição acabaram pesando para que a pasta antecipasse a decisão.
O governador Wellington Dias (PT), do Piauí, chegou a enviar na quinta-feira, 28, uma carta oficial ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) solicitando a compra do lote adicional. O documento foi assinado em nome do Fórum Nacional de Governadores e pedia ainda que, na impossibilidade de aquisição pelo governo federal, fosse "viabilizada a opção de compra por parte dos Estados brasileiros, conforme anteriormente aventado".
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO