Porto Alegre, quarta-feira, 13 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 13 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

saúde

- Publicada em 17h35min, 13/01/2021. Atualizada em 18h40min, 13/01/2021.

RS planeja logística de vacinação da Covid-19, ainda sem data para começar

Diretores e técnicos da Secretaria de Saúde fizeram reunião para alinhar imunização no Estado

Diretores e técnicos da Secretaria de Saúde fizeram reunião para alinhar imunização no Estado


Marília Bissigo/Ascom SES/JC
Uma equipe da Secretaria da Saúde do governo do Estado se reuniu nesta quarta-feira (13) para detalhar como será a vacinação contra a Covid-19 no Rio Grande do Sul. O encontro buscou alinhar estratégias para a logística da campanha, já que a imunização ainda não tem data definida para começar. O Ministério da Saúde planeja o início para o dia 20 de janeiro.
Uma equipe da Secretaria da Saúde do governo do Estado se reuniu nesta quarta-feira (13) para detalhar como será a vacinação contra a Covid-19 no Rio Grande do Sul. O encontro buscou alinhar estratégias para a logística da campanha, já que a imunização ainda não tem data definida para começar. O Ministério da Saúde planeja o início para o dia 20 de janeiro.
A estimativa é que 1 milhão de pessoas sejam vacinadas na etapa inicial, que começa pelos grupos prioritários. Os demais grupos serão vacinados conforme a disponibilidade de imunização. Os grupos prioritários são profissionais que atuam na linha de frente em têm contato direto com o vírus, como pessoas que trabalham em Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), centros de triagem e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu); idosos em lares de longa permanência; idosos fora desses lares escalonados por faixa etária (mais de 80 anos; de 75 a 79 anos; de 70 a 74 anos); e indígenas e quilombolas.
O processo de vacinação deverá ser o mesmo adotados em outras campanhas, como a da influenza, que ocorre todos os anos. O Estado ainda aguarda definições específicas do governo federal para a data de início da vacinação e a quantidade de doses que serão enviadas ao RS. "Assim que a vacina chegar ao Rio Grande do Sul, já temos estrutura e planejamento para iniciar a vacinação", garantiu a secretária da Saúde, Arita Bergmann. O governo também vai se encarregar de distribuir as doses aos municípios em quantidade proporcional à população a ser vacinada.
O Rio Grande do Sul encerrou 2020 com estoque de 4,5 milhões de seringas, e foram adquiridas, por registro de preços, mais 10 milhões de seringas agulhadas. O governador Eduardo Leite tranquilizou a população sobre o estoque suficiente dos insumos. A entrega do material aos municípios será escalonada e integrada com a distribuição da vacina.
Sobre armazenamento das doses, Arita destacou que o Estado dispõe da estrutura de 96 câmaras refrigeradas. A rede de logística de vacinação do Rio Grande do Sul é formada por 18 Centrais Regionais de Frio (uma em cada Coordenadoria Regional de Saúde - CRS), uma Central Estadual de Distribuição e Armazenamento de Imunobiológicos (Ceadi), dois Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais (Cries) – um estadual e um do município de Porto Alegre. Também há cerca de 1,8 mil salas de vacinas em todo o Estado.
Somente na Ceadi, é possível armazenar até 3 milhões de doses de vacina, de imediato. Para a distribuição pelo Estado, a central possui um caminhão baú refrigerado, com capacidade de transportar até 600 mil doses por vez. Mais um caminhão baú chegará em fevereiro.
Além disso, cada município poderá definir as melhores formas de viabilizar a vacinação, como indicar locais e horários para evitar aglomerações.
Comentários CORRIGIR TEXTO