Porto Alegre, terça-feira, 12 de janeiro de 2021.
Aniversário da Caixa Econômica Federal.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 12 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 08h25min, 12/01/2021.

AstraZeneca pede autorização para uso emergencial de vacina contra Covid-19 na UE

Se autorizada, a vacina AstraZeneca/Oxford será a terceira em aplicação na União Europeia

Se autorizada, a vacina AstraZeneca/Oxford será a terceira em aplicação na União Europeia


JOEL SAGET/AFP/JC
A farmacêutica AstraZeneca pediu à Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês), a "Anvisa da União Europeia", autorização para uso emergencial da vacina contra a Covid-19 que desenvolve em parceria com a Universidade de Oxford. O órgão regulador confirmou nesta terça-feira (12) o recebimento da documentação e informou que deve publicar um parecer até o próximo dia 29.
A farmacêutica AstraZeneca pediu à Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês), a "Anvisa da União Europeia", autorização para uso emergencial da vacina contra a Covid-19 que desenvolve em parceria com a Universidade de Oxford. O órgão regulador confirmou nesta terça-feira (12) o recebimento da documentação e informou que deve publicar um parecer até o próximo dia 29.
Se autorizada, a vacina AstraZeneca/Oxford será a terceira em aplicação na UE. As doses desenvolvidas pela Moderna e pela Pfizer em parceria com a BioNTech já estão sendo aplicadas na população europeia.
A AstraZeneca já conseguiu autorização de uso emergencial no Reino Unido e aguarda decisão semelhante no Brasil, após pedido feito pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) junto à Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa). A vacina contra o novo coronavírus desenvolvido pelo laboratório britânico em parceria com a Universidade de Oxford é a principal aposta do ministério da Saúde para imunizar a população brasileira.
Em nota, a EMA afirmou que o profilático só será aprovado caso os dados apresentados sobre qualidade, segurança e eficácia sejam "robustos e completos", e que o processo de avaliação das informações já foi iniciado. O órgão cita evidências positivas a partir de testes em andamento em Brasil, Reino Unido e África do Sul.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO