Porto Alegre, sábado, 09 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 09 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 10h30min, 09/01/2021. Atualizada em 10h34min, 09/01/2021.

Não há pedido emergencial para a vacina russa, informa Anvisa

Laboratório União Química solicitou autorização para realizar pesquisa clínica da fase 3 da Sputnik V

Laboratório União Química solicitou autorização para realizar pesquisa clínica da fase 3 da Sputnik V


Andres LARROVERE/AFP/JC
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu nota na noite desta sexta-feira (8) esclarecendo que ainda não há pedido de uso emergencial ou pedido de registro para a vacina russa Sputnik V no Brasil. Nesta sexta-feira, a Anvisa recebeu o pedido de uso emergencial da vacina Coronavac, de origem chinesa, e da vacina inglesa de Oxford. O prazo é de até 10 dias de exame, que dependerá do atendimento de documentos no processo.
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu nota na noite desta sexta-feira (8) esclarecendo que ainda não há pedido de uso emergencial ou pedido de registro para a vacina russa Sputnik V no Brasil. Nesta sexta-feira, a Anvisa recebeu o pedido de uso emergencial da vacina Coronavac, de origem chinesa, e da vacina inglesa de Oxford. O prazo é de até 10 dias de exame, que dependerá do atendimento de documentos no processo.
Segundo a Anvisa, o laboratório União Química solicitou autorização para realização de pesquisa clínica da fase 3 da vacina russa Sputnik V no Brasil. O pedido foi enviado à Anvisa no dia 29 de dezembro de 2020.
A Anvisa informou que iniciou a análise, mas identificou a necessidade de informações complementares, que foram solicitadas ao laboratório. Até o momento, a União Química não enviou as informações para a Anvisa. O status atual do pedido é “aguardando o envio das informações solicitadas na exigência técnica”. 
Comentários CORRIGIR TEXTO