Porto Alegre, segunda-feira, 04 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 04 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 08h32min, 04/01/2021.

Fauci alerta para piora da pandemia nos EUA nas próximas semanas após festas

O diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, Anthony Fauci, alertou neste domingo (3) que o quadro da pandemia de coronavírus no país deve piorar nas próximas semanas, em meio aos efeitos do elevado fluxo de viagens nos feriados do fim do ano. "É terrível, é lamentável, mas era previsível", disse, em entrevista à NBC.
O diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, Anthony Fauci, alertou neste domingo (3) que o quadro da pandemia de coronavírus no país deve piorar nas próximas semanas, em meio aos efeitos do elevado fluxo de viagens nos feriados do fim do ano. "É terrível, é lamentável, mas era previsível", disse, em entrevista à NBC.
Para tentar evitar o recrudescimento da epidemia, o infectologista exortou a população a continuar adotando o distanciamento social. "Precisamos redobrar algumas das coisas fundamentais sobre as quais falamos o tempo todo: o uso de máscaras, o distanciamento físico e a evitar ambientes e multidões congregadas, especialmente em ambientes fechados", citou.
O médico também rebateu alegações do presidente americano, Donald Trump, de que os órgãos de saúde estariam "exagerando" a gravidade da pandemia por meio da metodologia de contabilização de casos da Covid-19. "Tudo o que você precisa fazer é entrar nas trincheiras, nos hospitais, nas unidades de terapia intensiva e ver o que está acontecendo. Esses são números reais, pessoas reais e mortes reais", argumentou.
Fauci ainda criticou a lentidão do processo de vacinação nos EUA. "Sem desculpas, não estamos onde queremos estar. Mas, esperançosamente, vamos pegar um pouco de impulso e voltar para onde queremos estar no que diz respeito a colocá-la (a vacina) nos braços das pessoas", comentou.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO