Porto Alegre, quarta-feira, 28 de outubro de 2020.
Dia do Funcionário Público. Dia de São Judas Tadeu.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 28 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

saúde

- Publicada em 18h27min, 28/10/2020.

Rio Grande do Sul tem quinta menor taxa de incidência do coronavírus no Brasil

Mesmo com alta, Estado possui 2095,4 pessoas contaminadas a cada 100 mil habitantes

Mesmo com alta, Estado possui 2095,4 pessoas contaminadas a cada 100 mil habitantes


LUIZA PRADO/JC
Bruna Oliveira
Apesar dos casos da Covid-19 e dos óbitos relacionados à doença ainda diários e em patamar alto, o Rio Grande do Sul mantém uma das menores taxas de incidência do novo coronavírus no Brasil. O Estado possui a quinta menor taxa de contaminação a cada 100 mil habitantes (2095,4), posição que pouco se alterou desde o início da pandemia quando comparada à situação dos demais estados brasileiros. 
Apesar dos casos da Covid-19 e dos óbitos relacionados à doença ainda diários e em patamar alto, o Rio Grande do Sul mantém uma das menores taxas de incidência do novo coronavírus no Brasil. O Estado possui a quinta menor taxa de contaminação a cada 100 mil habitantes (2095,4), posição que pouco se alterou desde o início da pandemia quando comparada à situação dos demais estados brasileiros. 
Segundo dados do Ministério da Saúde atualizados até esta quarta-feira (28), o Rio Grande do Sul divide o fim da tabela nacional com Paraná (1832,6), Rio de Janeiro (1766,0), Pernambuco (1677,9) e Minas Gerais (1658,3). No topo do ranking, aparecem Roraima (9274,6), Distrito Federal (6990,2), Amapá (6080,8), Tocantins (4736,6) e Mato Grosso (4046,9) com as maiores taxas de contaminação pelo vírus para a mesma parcela da população. Veja a situação dos demais estados no gráfico abaixo.
Embora ainda mais "confortável" frente ao quadro da pandemia na comparação nacional, o avanço do coronavírus no Rio Grande do Sul permanece. Há quase dois meses, a incidência do vírus no Estado era de 1123,3 a cada 100 mil habitantes. O aumento na taxa representa um salto de 86,5% na incidência do vírus entre os gaúchos de setembro até agora.
De lá para cá, o Estado chegou a mostrar melhora nos indicadores da pandemia e voltou a ter regiões classificadas em bandeira amarela (de risco baixo) no sistema de distanciamento controlado. Desde a semana passada, porém, a alta de indicadores como o número de internações de pacientes em UTI reacendeu o alerta. Depois de duas semanas de alívio e em meio à mais flexibilizações em diversos setores, a bandeira vermelha voltou ao Estado. Até esta quarta-feira (28), o Rio Grande do Sul somava 240.694 gaúchos infectados e 5.699 mortes pela Covid-19, segundo atualização da Secretaria Estadual de Saúde (SES).
Apesar das mais de 5,6 mil vidas perdidas, a mortalidade pelo vírus no Rio Grande do Sul também é baixa se comparada às 27 unidades federativas. Neste recorte, o Estado possui 49,8 óbitos a cada 100 mil habitantes. É a quarta menor taxa do País e posição que pouco mudou desde o início da pandemia, em março. O fim da tabela é divido com os demais estados da região Sul, Santa Catarina (42,7) e Paraná (44,9), além de Minas Gerais (41,5), que tem a menor taxa de mortalidade pela Covid-19 no Brasil. Compare abaixo as taxas de mortalidade nos outros estados.
Comentários CORRIGIR TEXTO