Porto Alegre, sexta-feira, 16 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 16 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 09h50min, 17/07/2020.

EUA têm mais de 75 mil casos de Covid-19 e quebram recorde diário na quinta

Florida registrou o maior aumento desde o início da pandemia

Florida registrou o maior aumento desde o início da pandemia


CHANDAN KHANNA/AFP/JC
Os Estados Unidos quebraram o recorde diário de casos do novo coronavírus na quinta-feira (16) quando registraram mais de 75 mil infecções em 24 horas. Segundo o New York Times, esse número ainda não é final e deve crescer nas próximas horas. A agência Reuters diz que o número é maior que 77 mil novos casos.
Os Estados Unidos quebraram o recorde diário de casos do novo coronavírus na quinta-feira (16) quando registraram mais de 75 mil infecções em 24 horas. Segundo o New York Times, esse número ainda não é final e deve crescer nas próximas horas. A agência Reuters diz que o número é maior que 77 mil novos casos.
Esta foi a 11ª vez que o recorde diário foi quebrado nos últimos 30 dias. O número mais que dobrou desde 24 de junho, quando o país registrou 37.014 casos. O recorde mais recente (68.241) era o da sexta-feira, 10.
Quase mil mortes foram registradas de quarta para quinta-feira, maior número desde o dia 10 de junho. Flórida, Carolina do Sul e Texas registraram o maior aumento desde o início da pandemia. Mais de 138 mil americanos morreram em decorrência do novo coronavírus. As áreas mais afetadas do Texas e Arizona enfrentam escassez de espaço nos necrotérios. Coolers e trailers refrigerados começaram a ser utilizados para guardar os corpos das vítimas.
Os óbitos nos EUA atingiram o pico em abril, quando o país registrou cerca de 2 mil mortes por dia. Em maio, esse número caiu para 1,3 mil e, em junho, para cerca de 800 mortes diárias antes de começar a subir novamente em julho.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO