Porto Alegre, quinta-feira, 14 de maio de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 14 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Pesquisa

Notícia da edição impressa de 14/05/2020. Alterada em 13/05 às 21h02min

Sangue masculino possui mais enzima que facilita contágio pelo coronavírus

Sangue masculino tem mais enzima que facilita contágio de coronavírus A health worker takes a blood sample from a resident to make a COVID-19 quick test in Cali, Colombia, on May 13, 2020. (Photo by Luis ROBAYO / AFP)

Sangue masculino tem mais enzima que facilita contágio de coronavírus A health worker takes a blood sample from a resident to make a COVID-19 quick test in Cali, Colombia, on May 13, 2020. (Photo by Luis ROBAYO / AFP)


/LUIS ROBAYO/AFP/JC
O sangue dos homens tem concentração maior de uma substância que ajuda o novo coronavírus a infectar as células. A conclusão é de um estudo feito em mais de 3,5 mil pacientes publicado pela revista European Heart Journal, da Sociedade Europeia de Cardiologia.
O sangue dos homens tem concentração maior de uma substância que ajuda o novo coronavírus a infectar as células. A conclusão é de um estudo feito em mais de 3,5 mil pacientes publicado pela revista European Heart Journal, da Sociedade Europeia de Cardiologia.
O achado pode ser uma das explicações para os números que mostram que a Covid-19 afeta de forma mais grave pacientes cardíacos homens. A substância, uma enzima (acelera reações químicas) conhecida como ECA2, age na superfície das células como um receptor. Ela se liga ao coronavírus e permite que ele entre em células saudáveis, depois de ter sido modificado por outra proteína.
A ECA2 está presente nos pulmões, e os médicos acreditam que uma concentração mais alta nesses órgãos propicia a infecção viral, o que daria à enzima um papel importante na progressão de distúrbios pulmonares relacionados à Covid-19.
Uma limitação do estudo, porém, é que ele mediu a concentração da enzima apenas no plasma (parte líquida do sangue), e não nos tecidos, o que não permite ter certeza sobre a concentração da ECA2 nos pulmões. A substância é encontrada também no coração, nos rins e em tecidos que revestem os vasos sanguíneos, e há níveis particularmente altos nos testículos.
Comentários