Porto Alegre, quarta-feira, 08 de abril de 2020.
Dia Mundial do Combate ao Câncer.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, quarta-feira, 08 de abril de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Governo do Estado

07/04/2020 - 21h17min. Alterada em 08/04 às 08h18min

Leite recebe pedido de reabertura parcial do comércio

Leite recebeu protocolo para reabertura parcial do comércio em meio a pandemia de coronavírus

Leite recebeu protocolo para reabertura parcial do comércio em meio a pandemia de coronavírus


Gustavo Mansur / Palácio Piratini / Divulgação / JC
O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), recebeu um protocolo de procedimentos para o funcionamento dos estabelecimentos comerciais elaborado pelo sistema Fecomércio/Sesc/Senac. 
O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), recebeu um protocolo de procedimentos para o funcionamento dos estabelecimentos comerciais elaborado pelo sistema Fecomércio/Sesc/Senac. 
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
O objetivo do documento é que as diretrizes sejam adotadas nos setores do comércio, serviços e turismo para evitar o contágio do coronavírus dentro dos estabelecimentos – com destaque para a intensificação do uso de máscaras – e servir de base para que Leite reavalie a política de fechamento das atividades comerciais.
Leite foi receptivo ao grupo e lembrou que foi ele quem havia solicitado as sugestões aos integrantes das entidades. O governador disse que compartilhava da angústia das entidades empresariais e explicou como o Governo do Estado trabalha para ampliar o número de leitos de UTI e garantir que a quantidade de pacientes simultâneos devido ao coronavírus não supere a capacidade de atendimento do sistema de saúde. Ele informou que vai pedir para a sua equipe técnica uma análise das sugestões do protocolo o da Fecomércio.
O documento foi idealizado pelo Fórum de Combate ao Colapso Social e Econômico, que discute, por meio de videoconferências desde 26 de março, formas de garantir o funcionamento da cadeia produtiva da alimentação e demais setores produtivos do comércio, serviços e indústria, bem como também apoio aos profissionais autônomos e informais. Coordenado pelo presidente da Assembleia Legislativa, Ernani Polo (PP), reúne entidades empresariais como Fecomércio, Fiergs, Federasul, e Lide-RS, cujos presidentes estiveram presentes na reunião.
Polo defendeu a liberação das atividades, mediante protocolo de proteção à saúde, de todos os setores que integram a cadeia de alimentos no Rio Grande do Sul. A solicitação contempla não apenas as atividades-fim, mas também as redes secundárias que garantem suporte ao setor. “Não se trata de um retorno à normalidade, mas de um novo padrão de funcionamento estabelecido a partir de análise técnica da entidade”, posicionou-se.
Polo entregou ao governador um ofício solicitando, dentro das possibilidades, imediata análise e deliberação sobre as demandas apresentadas. O parlamentar solicitou, ainda, maior participação do Poder Legislativo no Conselho de Crise para o Enfrentamento da Epidemia da Covid-19, para uma atualização mais frequente dos dados aos deputados estaduais, e a ampliação do uso de testes rápidos para identificação das pessoas expostas ao vírus e as já imunizadas para basear a suspensão gradativa das medidas de isolamento.
Além do protocolo da Fecomércio, Polo entregou, ainda, outro ofício, de Maria Fernanda Tartoni, presidente da Abrasel no RS, associação que representa bares e restaurantes, manifestando sua preocupação com a falta de previsibilidade de retomada das atividades. “Há uma série de ameaças caso não seja feito um planejamento de retomada, como desabastecimento, desemprego, fechamento de empresas, bancarrota da economia e, consequentemente, do Estado”, afirmou a dirigente no documento.
O protocolo da Fecomércio recomenda aos empresários medidas de prevenção destinadas aos funcionários e aos clientes dentro dos estabelecimentos. São citados, por exemplo, flexibilizar local e escala de trabalho para reduzir uso de transporte coletivo nos horários de pico, avaliar a criação de novos turnos para reduzir contato social na empresa e de home-office em dias alternados por equipes, reduzir reuniões presenciais e viagens, estimular reuniões virtuais, restringir o acesso ao público externo, estabelecer diferentes turnos de refeição e tornar mais rigorosa a limpeza e desinfecção frequente de superfícies de equipamentos e mobiliário.

A protocolo de segurança que pede reabertura parcial do comércio

O objetivo da plano é orientar empresários do setor de comércio, serviços e turismo sobre formas de evitar o contágio do coronavírus dentro dos estabelecimentos, com destaque para a intensificação do uso de máscaras, e servir de base para que Leite reavalie a política de fechamento das atividades comerciais no Rio Grande do Sul, por meio de uma retomada gradativa. No material há sugestões de medidas de prevenção destinadas aos trabalhadores e ao público dentro dos estabelecimentos. No guia formulado pela Fecomércio estão medidas como:
  • Flexibilizar local e escala de trabalho para reduzir uso de transporte coletivo nos horários de pico.
  • Avaliar a criação de novos turnos para reduzir contato social na empresa, home office em dias alternados por equipes, reduzir reuniões presenciais e viagens e estimular reuniões virtuais.
  • Restringir o acesso ao público externo, estabelecer diferentes turnos de refeição e tornar mais rigorosa a limpeza e desinfecção frequente de superfícies de equipamentos e mobiliário.
  • Nos estabelecimentos pequenos, uma alternativa sugerida é manter apenas uma entrada para os clientes, controlada por um funcionário com máscara, individualizando o atendimento. – No caso de fila externa, respeitar distância de dois metros entre as pessoas.
  • Para os estabelecimentos comerciais maiores, uma alternativa é estabelecer jornada reduzida de atendimento ao público, entrada regulada de pessoas ao interior, colocação de sinalização no chão informando a distância mínima entre clientes.
  • Outra proposta é manter avisos sonoros informando as recomendações durante a pandemia, importância de manter o distanciamento no interior do estabelecimento.
  • Adotar barreiras físicas entre funcionário e cliente.
Fonte: Assembleia Legislativa