Porto Alegre, sábado, 17 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 17 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 21h04min, 05/04/2020.

Ministro alemão acusa EUA de 'pirataria moderna'

Poder econômico norte-americano tem dificultado chegada de equipamentos em outros países

Poder econômico norte-americano tem dificultado chegada de equipamentos em outros países


MS/DIVULGAÇÃO/JC
A corrida do governo norte-americano para obter equipamentos médicos para o combate o novo coronavírus colocou os EUA em rota de colisão com aliados. Canadá e Alemanha reclamaram de ações do governo de Donald Trump para barrar a exportação de máscaras e tomar respiradores inicialmente solicitados por outros países.
A corrida do governo norte-americano para obter equipamentos médicos para o combate o novo coronavírus colocou os EUA em rota de colisão com aliados. Canadá e Alemanha reclamaram de ações do governo de Donald Trump para barrar a exportação de máscaras e tomar respiradores inicialmente solicitados por outros países.
Autoridades alemãs acusaram os EUA de praticar "pirataria moderna" depois que uma carga de máscaras N95 foi retida na Tailândia. A Alemanha afirma que 200 mil máscaras da empresa 3M seriam destinadas a policiais do país. "Esta não é a forma de tratar os parceiros transatlânticos. Mesmo em tempos de crise global, não se deve adotar métodos do Velho Oeste", afirmou o ministro do Interior, Andreas Geisel.
Trump invocou a Lei de Proteção de Defesa para fazer com que a 3M, uma das maiores fabricantes de máscaras do mundo, aumente a produção e suspenda as exportações, que têm como destino o Canadá e a América Latina. A companhia divulgou um comunicado no qual alerta para as consequências.
O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, qualificou como um "erro" a decisão dos EUA de limitar as exportações de equipamentos médicos. "É um erro criar bloqueios ou reduzir a quantidade de comércio de bens e serviços essenciais, incluindo os médicos, de ambos os lados da nossa fronteira", disse Trudeau.
A francesa Valérie Pécresse, presidente da região de Île-de-France, disse que máscaras que foram enviadas por empresas da China aos EUA tinham inicialmente sido vendidas à França. "Perdemos um pedido para os americanos, que nos superaram em uma remessa que tínhamos feito", disse Pécresse. "Eles ofereceram três vezes o preço e pagaram adiantado. Eu não consigo fazer isso."
Comentários CORRIGIR TEXTO