Porto Alegre, sábado, 17 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 17 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estatísticas

- Publicada em 13h38min, 04/04/2020. Atualizada em 14h43min, 04/04/2020.

Maior parte dos estados e governo federal não divulgam dados básicos sobre coronavírus

Número de testes, disponibilidade de leitos e dados sobre infectados pela Covid-19 não são claros

Número de testes, disponibilidade de leitos e dados sobre infectados pela Covid-19 não são claros


CAMILA SURIAN/ARTE/JC
A maioria dos estados brasileiros não é transparente a respeito de dados básicos divulgados sobre o novo coronavírus, segundo análise feita pela OKBR (Open Knowledge Brasil).
A maioria dos estados brasileiros não é transparente a respeito de dados básicos divulgados sobre o novo coronavírus, segundo análise feita pela OKBR (Open Knowledge Brasil).
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
Há pouca ou nenhuma informação, por exemplo, quanto ao número de testes realizados, disponibilidade de leitos de UTI e informações sobre as pessoas com a Covid-19, como idade e sexo.
A análise, divulgada nesta sexta-feira (3), conclui que 90% dos estados e o governo federal não tornam públicos dados que possibilitem o acompanhamento em detalhes do avanço da epidemia do novo coronavírus no país.
As autoridades não apresentam, por exemplo, dados básicos sobre quantidade de testes disponíveis. Somente o Tocantins, segundo a OKBR, divulga essa informação - o estado também é um dos que mostram quantos testes foram realizados.
Os exames de detecção da Covid-19 têm sido um dos pontos centrais da discussão sobre a doença. Países que testam em massa sua população estão conseguindo isolar os casos confirmados e, assim, evitar que aconteçam novas contaminações.
O acesso a dados tem sido um desafio à parte no Brasil. Na terça-feira, a reportagem perguntou ao Ministério da Saúde quantos testes para Covid-19 foram feitos no país até a presente data. Após uma negativa inicial, a assessoria da pasta afirmou que levantaria os dados. Até a conclusão desta edição, a pasta não havia respondido.
Nas secretarias estaduais de saúde a situação não é muito diferente. Como mostra o levantamento da OKBR, mais de 80% dos estados não possuem dados abertos (que possam ser baixados e filtrados de diferentes formas) e apresentam as informações a partir de boletins diários.
Até mesmo informações sobre os municípios onde ocorrem os casos e mortes não são disponibilizados pelo governo federal e por três unidades federativas.
O levantamento também revela que nenhum ente federativo apresenta o número de leitos ocupados pelo coronavírus, informação essencial para a análise da situação da epidemia no país.
Casos mais graves da Covid-19 precisam de hospitalização e uso de máquinas para ajudar na respiração do paciente. Dependendo do número de pessoas que precisam do auxílio ao mesmo tempo, o sistema de saúde pode não suportar a demanda e pacientes podem ficar desassistidos, o que leva a mais mortes. O que explica a importância da transparência sobre sobre a quantidade de leitos e de UTIs ocupados.
A análise da OKBR levou à criação de um Índice de Transparência da Covid-19, que, por sua vez, deu origem a um ranking dos estados mais transparentes na divulgação de dados sobre a doença, que por enquanto é liderado por Pernambuco.
Para a criação do índice, a organização levou em conta a disponibilidade de informações sobre os pacientes confirmados com Covid-19 (idade, sexo, status de atendimento e doenças associadas) e sobre a capacidade do sistema hospitalar e de contenção da pandemia (ocupação de leitos, testes disponíveis e aplicados). Esses foram considerados dados mínimos oferecidos.
A OKBR também considerou a granularidade das informações --ou seja, de modo geral, o quanto os dados estão detalhados. Por fim, foi analisado o formato de apresentação dos dados.
Todas as unidades federativas foram procuradas para se posicionar sobre sua transparência. Somente se manifestaram Amapá, Amazonas, Bahia, Distrito Federal, Maranhão e Santa Catarina.
O levantamento foi feito com base em informações disponíveis na manhã de 2 de abril. O ranking será atualizado semanalmente.
Folhapress

RANKING DE TRANSPARÊNCIA

Nível alto
1º Pernambuco

Bom
2º Ceará
3º Rio de Janeiro

Médio
4º Tocantins
5º Minas Gerais
6º Maranhão e Mato Grosso do Sul
7º Roraima

Baixo
8º Rio Grande do Sul e Governo Federal
9º Alagoas e Bahia
10º Mato Grosso e São Paulo
11º Rio Grande do Norte
12º Distrito Federal e Piauí
13º Amazonas
14º Acre e Goiás

Opaco
15º Amapá, Espírito Santo, Paraíba, Paraná, Santa Catarina e Sergipe
16º Pará e Rondônia
Comentários CORRIGIR TEXTO