Porto Alegre, sábado, 17 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 17 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

energia

- Publicada em 03h00min, 02/04/2020.

Petrobras reduz produção diária de petróleo

Segundo a empresa, setor vive a pior crise em 100 anos

Segundo a empresa, setor vive a pior crise em 100 anos


MAURO PIMENTEL/AFP/JC
A Petrobras anunciou que decidiu adotar, desde quarta-feira, novas medidas para assegurar a sustentabilidade da companhia "nesta que se configura a pior crise da indústria do petróleo nos últimos 100 anos". Entre as providências estão a redução da produção de petróleo e de gastos com pessoal.
A Petrobras anunciou que decidiu adotar, desde quarta-feira, novas medidas para assegurar a sustentabilidade da companhia "nesta que se configura a pior crise da indústria do petróleo nos últimos 100 anos". Entre as providências estão a redução da produção de petróleo e de gastos com pessoal.
A empresa já havia anunciado no último dia 26 uma série de ações para equilibrar o caixa em meio ao choque dos preços do barril petróleo e do impacto da pandemia do novo coronavírus (covid-19) no mercado internacional. "O cenário atual é marcado por uma combinação inédita de queda abrupta do preço do petróleo, excedente de oferta no mercado e uma forte contração da demanda global por petróleo e combustíveis. Estas novas medidas envolvem redução da produção de petróleo, postergação de desembolso de caixa e redução de custos", informa a estatal, em nota.
Com isso, a produção sofreu um corte de 200 mil barris diários, volume que inclui a redução anunciada no dia 26 de março de 100 mil barris. Segundo o comunicado da estatal, para definição dos campos que terão sua produção diminuída, a Petrobras levará em consideração condições mercadológicas e operacionais. A duração da restrição será continuamente avaliada.
Como parte das ações destinadas a promover o corte anunciado de US$ 2 bilhões de gastos operacionais em 2020, a empresa decidiu poupar aproximadamente R$ 700 milhões em despesas com pessoal com a postergação do pagamento, entre 10% a 30%, da remuneração mensal de demais empregados com função gratificada (gerentes, coordenadores, consultores e supervisores); mudança temporária de regimes de turno e de sobreaviso para regime administrativo de cerca de 3,2 mil empregados e redução temporária da jornada de trabalho, de 8 horas para 6 horas, de cerca de 21 mil empregados.
"A Petrobras reforça seu compromisso com a gestão de seu portfólio e com sua estratégia sustentada pelos cinco pilares: maximização do retorno sobre o capital, redução do custo de capital, busca incessante por custos baixos, meritocracia e respeito às pessoas, meio ambiente e segurança. A crise atual realça a importância destes pilares que devem continuar a ser implementados ainda com mais foco e intensidade", diz a nota.
A companhia disse que continua monitorando o mercado e, em caso de necessidade, realizará novos ajustes. A Transpetro, subsidiária integral da Petrobras, também aprovou plano de resiliência, que consiste em medidas para reduzir a estrutura de custos, tanto de gastos operacionais quanto de investimentos, postergando ou otimizando desembolsos, no valor de R$ 507 milhões em 2020.
Já o diesel usado pelos caminhões, responsáveis por 80% do transporte da carga no Brasil, teve queda de produção de 1,2% em fevereiro, e deverá ser um dos menos afetados durante a crise do coronavírus pela necessidade do transportes de alimentos, medicamentos e outros itens necessários à manutenção da sobrevivência da população.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO