Porto Alegre, segunda-feira, 30 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de março de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 30/03 às 18h22min

EUA registram mais de 153 mil casos e 2.500 mortes por coronavírus

Folhapress
 Os EUA registraram nesta segunda-feira (30) mais de 153 mil casos confirmados de coronavírus no país, o que representa pelo menos 20% dos diagnósticos em todo o mundo neste momento.
 Os EUA registraram nesta segunda-feira (30) mais de 153 mil casos confirmados de coronavírus no país, o que representa pelo menos 20% dos diagnósticos em todo o mundo neste momento.
Segundo dados divulgados pela Universidade Johns Hopkins, o total de casos no globo chegou a 755.591 na hora em que os EUA registravam 153.246 diagnósticos, com pelo menos 2.500 mortes.
 
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
O número --que tem sido alterado rapidamente-- supera a Itália, que já foi considerada o epicentro do novo vírus, e hoje tem 101,7 mil casos e 11.500 mortes; a Espanha, que registra 85,1 mil casos e 7.300 mortes; e a China, com 82,1 mil casos e 3.100 mortes.
Nos EUA, o ritmo de crescimento dos casos confirmados começou a acelerar de forma vertiginosa no meio de março.
De acordo com especialistas, a demora no processo dos testes para detectar o coronavírus deu a falsa impressão de que o perigo ainda não havia chegado ao país e deixou por muito tempo autoridades e população desarmadas, enquanto a transmissão se dava em marcha invisível e exponencial.
A confirmação do primeiro paciente com diagnóstico de coronavírus nos EUA foi em 21 de janeiro.
O presidente Donald Trump, que inicialmente minimizava a gravidade da pandemia, declarou estado de emergência nacional após 52 dias, em 13 de março. Menos de duas semanas depois, o país registrava 83.012 casos e 1.301 mortes, superando China e Itália e tornando-se o epicentro do vírus.
Nesta segunda-feira, o rompimento da marca dos 150 mil casos mostrou que os EUA ainda não conseguiram frear a curva do vírus e a expectativa do governo americano, assim como a de especialistas, é de que o pior cenário ainda está por vir.
Estados como Nova York, Nova Jersey e Califórnia --e seus municípios mais populosos-- lideram a lista dos principais focos do novo vírus no país, e adotaram medidas severas para manter as pessoas em casa.
Quase metade dos 2.500 mortos no país, por exemplo, está em Nova York. Mas outros estados e cidades como Boston, Nova Orleans e Detroit têm experimentado uma explosão mais recente de casos, justamente pelo hiato de tempo sem medidas restritivas.
Segundo levantamento da Kaiser Family Foundation, 44 estados americanos limitaram atividades de bares e restaurantes e 46 fecharam escolas, mas só 19 estão com a ordem de manter os cidadãos em casa.
Com medo de que a paralisia econômica atrapalhe sua campanha à reeleição, Trump quer que o país volte o quanto antes à normalidade, mas viu seu desejo bloqueado pelas recomendações dos principais organismos de saúde em todo o mundo.
Pressionado, o presidente americano resolveu seguir as recomendações médicas nas suas medidas de governo e anunciou neste domingo (29) que as orientações de distanciamento social no país foram estendidas até pelo menos 30 de abril.