Porto Alegre, sábado, 17 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 17 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Coronavírus

- Publicada em 17h14min, 29/03/2020. Atualizada em 17h14min, 29/03/2020.

BC garante que progama de ajuda a pequenas empresas ocorrerá 'em tempo recorde'

Programa de financiamento deve atingir R$ 40 bilhões

Programa de financiamento deve atingir R$ 40 bilhões


MARCELLO CASAL JR/AGÊNCIA BRASIL/JC
O Diretor de Organização do Sistema Financeiro e Resolução do Banco Central, João Manoel Pinho de Mello, afirmou que o programa de financiamento da folha de pagamentos para pequenas e médias empresas, no valor de R$ 40 bilhões, está sendo operacionalizado de maneira "tempestiva" e em "tempo recorde".
O Diretor de Organização do Sistema Financeiro e Resolução do Banco Central, João Manoel Pinho de Mello, afirmou que o programa de financiamento da folha de pagamentos para pequenas e médias empresas, no valor de R$ 40 bilhões, está sendo operacionalizado de maneira "tempestiva" e em "tempo recorde".
Durante live do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), ele enfatizou ainda o caráter inovador da iniciativa, anunciada na última sexta-feira (27) e que mira negócios com faturamento anual entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões.
Mello reforçou que os bancos, públicos ou privados, vão atuar de maneira compartilhada no repasse dos recursos e não vão cobrar quaisquer tarifas operacional ou de inadimplência. "Tanto o BNDES quanto os bancos públicos e privados não cobrarão nenhum custo de operacionalização ou de inadimplência nesses empréstimos. É algo inédito", acrescentou o diretor do BC.
Ele lembrou ainda que as pequenas e médias empresas pagarão 3,75% ao ano para ter acesso à linha de financiamento da folha de pagamentos. Assim, apenas será repassado o custo da taxa Selic, não tendo spread nem outro custo adicional. "Essas empresas pagam hoje, em média, mais de 20% ao ano para se financiarem", comparou Mello.
Os R$ 40 bilhões dos recursos para financiar a folha de pagamentos de pequenas e médias empresas virão 85% do Tesouro Nacional e 15% dos bancos participantes. O Banco Central ficará a cargo da fiscalização dos empréstimos.
Mello também afirmou que a autoridade monetária garantirá que os R$ 40 bilhões da linha para financiar folhas de pagamento cheguem às pequenas e médias empresas, sem discriminação. Todas as empresas com faturamento anual entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões e com histórico positivo de crédito nos últimos seis meses, antes da pandemia de coronavírus, são elegíveis ao programa, conforme ele.
"A política de concessão final é do banco. Qualquer negativa de crédito para empresas elegíveis terá de ser detalhada ao BC. O Banco Central garantirá que não haverá discriminação e que a linha chegará a empresas elegíveis", garantiu Mello. "Vamos cumprir papel supervisão", reforçou.
Ele lembrou que a linha que vai financiar as folhas de pagamentos das pequenas e médias empresas terão custo anual de 3,75%, sem spread ou custo adicional. "O setor bancário está todo alinhado para fazer o recurso chegar na ponta", acrescentou o diretor do BC.
De acordo com ele, ainda falta uma autorização legal para a criação do instrumento, lançado na última sexta-feira, dia 27. Conforme Mello, o BNDES disponibilizará um canal de transferência para bancos públicos ou privados que farão os empréstimos condicionados a folhas de pagamentos. "Estamos trabalhando a todo vapor para entregar (o programa) de maneira tempestiva", prometeu.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO