Porto Alegre, sábado, 17 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 17 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

SAÚDE

- Publicada em 08h52min, 28/03/2020. Atualizada em 15h53min, 28/03/2020.

Prefeitos da Região Metropolitana de Porto Alegre manterão a quarentena

Porto Alegre, Cachoeirinha, Esteio e outras cidades seguirão com as medidas restritivas

Porto Alegre, Cachoeirinha, Esteio e outras cidades seguirão com as medidas restritivas


MARCO QUINTANA/JC
Prefeitos das principais cidades da Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA) decidiram não acatar as medidas de flexibilização da quarentena. A decisão dos líderes municipais respeita a orientação técnica dos profissionais da saúde, tendo como exemplo o que vem sendo feito em nações que conseguiram frear a difusão da Covid-19. “Nossa atitude diante dessa crise é de prevenção e segurança para a população. A vida não é antagônica aos empregos. Não há vida sem emprego e não há emprego sem vida”, destaca o presidente da Granpal e prefeito de Cachoeirinha, Miki Breier (PSB).
Prefeitos das principais cidades da Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA) decidiram não acatar as medidas de flexibilização da quarentena. A decisão dos líderes municipais respeita a orientação técnica dos profissionais da saúde, tendo como exemplo o que vem sendo feito em nações que conseguiram frear a difusão da Covid-19. “Nossa atitude diante dessa crise é de prevenção e segurança para a população. A vida não é antagônica aos empregos. Não há vida sem emprego e não há emprego sem vida”, destaca o presidente da Granpal e prefeito de Cachoeirinha, Miki Breier (PSB).
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
Para o coletivo de prefeitos, os efeitos da doença precisam ser considerados sob aspectos científicos e estatísticos. “Cuidar das pessoas é o nosso maior compromisso”, avalia o prefeito de Esteio, Leonardo Pascoal (Progressistas). O Decreto Estadual que trata do assunto seguirá balizando as medidas tomadas pelos gestores. No entanto, o período de quarentena será definido individualmente, em cada município.
“Manter o isolamento social e estender por mais alguns dias as determinações que restringem a circulação, a aglomeração e a aproximação das pessoas é priorizar vidas”, destaca o prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan (PSDB).
Na ocasião, por reunião via videoconferência, o grupo avaliou os impactos econômicos do coronavírus e suas consequências no comércio, na indústria e na prestação de serviços das cidades. Todos os presentes acenaram que, assim que possível, as medidas restritivas serão revistas. “Seguiremos preservando e dando estrutura para amparar quem mais precisa de ajuda”, disse o prefeito Marco Alba (MDB), de Gravataí.
Na avaliação dos prefeitos da Granpal (Consórcio dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre), dificilmente os decretos municipais serão flexibilizados antes de 5 de abril. Também estiveram presentes os prefeitos Margarete Ferreti (Nova Santa Rita), Valdir José Elias (Viamão), Luis Link (Sapucaia do Sul) e o secretário de Estado de Articulação e Apoio aos Municípios, Agustinho Meirelles.
Na sexta-feira (27), o governador Eduardo Leite ressaltou a autonomia dos prefeitos sobre as medidas restritivas nos seus municípios, mas lembrou que cabe a cada gestor a observância das medidas inclusas no decreto estadual que limita a circulação de pessoas. O presidente da Federação da Associação dos Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), Eduardo Freire (PDT), também se manifestou, destacando a orientação para que as prefeituras sigam o decreto.
Comentários CORRIGIR TEXTO