Porto Alegre, quinta-feira, 26 de março de 2020.
Aniversário de Porto Alegre. Dia do Cacau.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, quinta-feira, 26 de março de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

trabalho

Notícia da edição impressa de 26/03/2020. Alterada em 26/03 às 03h00min

Governo vai ampliar auxílio para R$ 300,00

Trabalhadores sem registro estão sem condições de atuar no momento

Trabalhadores sem registro estão sem condições de atuar no momento


/MARCELO G. RIBEIRO/arquivo/JC

O governo federal irá ampliar o voucher para trabalhadores informais de R$ 200,00 para R$ 300,00 por mês, informou o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, nesta quarta-feira.

O governo federal irá ampliar o voucher para trabalhadores informais de R$ 200,00 para R$ 300,00 por mês, informou o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, nesta quarta-feira.

A medida foi anunciada na semana passada como parte do plano da equipe do ministro Paulo Guedes para combater os impactos econômicos do novo coronavírus. O benefício vale para a parcela da população que não tem trabalho formal e não recebe recursos de programas como Bolsa Família e BPC (Benefício de Prestação Continuada).

Segundo Sachsida, a ampliação do benefício será anunciada ainda esta semana, junto a novas medidas para amenizar os efeitos da paralisação do país na economia. "Precisamos evitar que um choque transitório se torne um choque permanente", disse o secretário em videoconferência da Necton Investimentos.

De acordo com Sachsida, as medidas econômicas serão adotadas aos poucos, por terem uma margem pequena para erros, com poucos recursos à disposição. "Temos pacotes muito diferentes de Europa e EUA, que têm pacotes trilionários. É difícil para nós fazer um grande anúncio porque, se errarmos, não temos outro. Esses países têm como errar porque têm dinheiro para mais, têm uma situação fiscal mais sólida", informou Sachsida.

Devido ao aumento de gastos com o novo coronavírus, o Brasil não vai cumprir a meta fiscal em 2020, e haverá aumento do déficit primário. "Toda semana fazemos um anúncio pelo grau de incerteza dessa crise, não sabemos a duração exata do coronavírus. Prudência é importante. Se gastarmos tudo agora e [a pandemia] durar quatro meses, o que faremos no quarto mês?", afirma Sachsida.

O secretário disse ainda que confia no presidente, em meio a críticas a Jair Bolsonaro, provenientes de diversos setores, pelas declarações em relação à crise. Na noite de terça-feira, Bolsonaro defendeu, em pronunciamento, o fim do isolamento, chamado por ele de confinamento em massa, e a reabertura de escolas e comércio. Se adotadas, as medidas irão na contramão daquelas implementadas por dezenas de países e de recomendações de especialistas.

"Confio na liderança de Guedes e de Bolsonaro. Grandes lideranças vão aparecer nesta crise. Grandes homens surgem nos grandes momentos", disse o secretário, que também destacou o trabalho de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidentes da Câmara e do Senado, respectivamente.