Porto Alegre, segunda-feira, 23 de março de 2020.
Dia Mundial do Meteorologista.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de março de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 23/03 às 15h35min

Para FMI, recessão global em 2020 será no mínimo tão grave quanto a de 2008

"Ainda mais será necessário, principalmente no front fiscal", disse a diretora do fundo

"Ainda mais será necessário, principalmente no front fiscal", disse a diretora do fundo


MANDEL NGNAN/AFP/JC
Folhapress
O mundo vai passar em 2020 por uma recessão no mínimo tão grave ou pior que a da crise global de 2008 , afirmou a diretora-executiva do FMI, Kristalina Georgieva. Segundo ela, países emergentes estão sendo afetados por uma saída inédita de capital.
O mundo vai passar em 2020 por uma recessão no mínimo tão grave ou pior que a da crise global de 2008 , afirmou a diretora-executiva do FMI, Kristalina Georgieva. Segundo ela, países emergentes estão sendo afetados por uma saída inédita de capital.
Em comunicado divulgado depois de reunião entre ministros das Finanças e presidentes de bancos centrais do G20 (grupo das 20 maiores economias do mundo), Kristalina afirmou que espera recuperação em 2021, mas que para isso é preciso fortalecer os sistemas de saúde e priorizar a contenção do contágio no mundo todo.
"Quanto mais rápido pararmos o [novo] coronavírus, mais rapidamente e com mais força nos reergueremos", afirmou.
O FMI declarou apoio às decisões dos governos de aumentar os gastos para fortalecer os sistemas de saúde e proteger empresas e trabalhadores, e à política monetária de aumentar a liquidez, adotada pelos bancos centrais.
"Ainda mais será necessário, principalmente no front fiscal", disse a diretora do fundo.
Kristalina afirmou também que economias emergentes estão sendo fortemente afetadas por saída de capital e que a atividade doméstica será severamente afetada. "Investidores já retiraram US$ 83 bilhões dos mercados emergentes, a maior retirada de capital da história. Estamos especialmente preocupados com países mais pobres e endividados."
O fundo anunciou programas para ajudar países, como linhas de emergência para atender a 80 pedidos já recebidos, e recursos de até US$ 1 trilhão em empréstimos.