Porto Alegre, sábado, 17 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 17 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Agronegócio

- Publicada em 19h09min, 22/03/2020. Atualizada em 19h29min, 22/03/2020.

Laticínios gaúchos vão priorizar produção de leite UHT, leite em pó e queijo

Sindilat faz alerta sobre impactos do coronavírus na cadeia de lácteos

Sindilat faz alerta sobre impactos do coronavírus na cadeia de lácteos


Sindilat/Divulgação/JC
O Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat) emitiu nota alertado para os problemas gerados pelo coronavírus no setor, especialmente para a suspensão dos trabalhos nas linhas de produção de alguns produtos. A entidade também chamou a atenção para outro fator, não totalmente vinculado à pandemia, mas que também será percebido pelos consumidores em breve: a alta nos preços.
O Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat) emitiu nota alertado para os problemas gerados pelo coronavírus no setor, especialmente para a suspensão dos trabalhos nas linhas de produção de alguns produtos. A entidade também chamou a atenção para outro fator, não totalmente vinculado à pandemia, mas que também será percebido pelos consumidores em breve: a alta nos preços.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
Na produção, as mudanças em curso obrigaram a suspensão de algumas linhas e itens que não são de extrema necessidade. A decisão – que tem impacto direto na rentabilidade das operações fabris – concentrou as equipes no processamento de produtos de grande relevância social como o leite UHT, leite em pó e queijos, atualmente os mais demandados no varejo.
No documento, assinado por Alexandre Guerra, presidente do sindicato, alerta para o fato de que o setor trabalhando para garantir que as famílias possam manter seu período de quarentena com saúde, e reforça que para isso, é essencial contar com a colaboração de todos, como no acatamento da recomendação de não sair de casa além do extremamente necessário. Guerra lembra que para poder abastecer as gôndolas dos supermercados agricultores e produtores de leite, colaboradores de laticínios, veterinárias, fornecedores de insumos e embalagens, transportadores e equipes de inspeções oficiais estão fazendo para que os outros possam ficar em casa com saúde.
O Sindilat explica ainda que a indústria láctea gaúcha vem, na medida do possível e com o empenho e engajamento dos colaboradores, mantendo a produção para assegurar o abastecimento e atendendo à recomendação das autoridades de saúde pública, mantêm as já rígidas medidas de higiene e controle em nossa produção, com home office nos setores onde foi possível. Segundo a nota, nas indústrias, se ampliou o distanciamento entre postos de trabalho e se passou a oferecer alternativas de transporte até às fábricas de forma a minimizar riscos.
Sobre a alta nos preços prevista para os próximos meses, o Sindilat coloca que ocorrem em razão temporal, da entressafra da produção no campo, comum anualmente na Região Sul entre março a julho. Neste ano, porém, defende a nota, esse período deve estender-se, e a alta ficar acima da média em função da estiagem, da disparada do dólar que elevou o custo dos insumos e dos gastos adicionais realizados na prevenção do coronavírus.
Comentários CORRIGIR TEXTO