Porto Alegre, sábado, 17 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 17 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Redes sociais

- Publicada em 20h36min, 20/03/2020.

Coronavírus: avanço da pandemia provoca queda de apoio a Bolsonaro no Twitter

Ação coordenada e automatizada no Twitter sustentou apoio a Bolsonaro em hashtags no Twitter

Ação coordenada e automatizada no Twitter sustentou apoio a Bolsonaro em hashtags no Twitter


SERGIO LIMA/AFP/JC
Desde o início de março, a base de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vem perdendo espaço no debate geral do país sobre o coronavírus, conforme vem aumentando, igualmente, o volume de menções ao assunto no país e os componentes políticos, econômicos e sociais da pandemia, constata um estudo da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV).
Desde o início de março, a base de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vem perdendo espaço no debate geral do país sobre o coronavírus, conforme vem aumentando, igualmente, o volume de menções ao assunto no país e os componentes políticos, econômicos e sociais da pandemia, constata um estudo da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV).
Desde o início de março os grupos antibolsonaristas têm se mantido com maior volume de engajamento que as bases pró-Bolsonaro, mas sem se estender para além de 21% da discussão em nenhum período.
Isso se deve, sobretudo, à grande aglutinação de perfis sem claro ou contínuo alinhamento político-partidário, que foram um grande grupo intermediário amplamente dominante no debate e de oposição a Bolsonaro. Até 13 de março, esse grupo intrapolos agregava 54% das interações, chegou a 71,4% destas em 17 de março, quando esquerda e direita perderam participação, e nesta quarta-feira de panelaço agregou 59,1% das interações no Twitter.
Entre 2 e 12 de março, a base pró-governo federal, sob o eixo de impacto do perfil do Ministério da Saúde, reunia 12% das interações sobre o assunto no Twitter. No entanto, entre 13 de março e o fim da manhã 17 de março, com a rápida escalada da discussão no país (e o aumento da percepção crítica às ações de Bolsonaro), caiu a 6,5% a participação da base bolsonarista na rede, e novamente houve leve queda na análise do debate das 24h de 17 de março, às vésperas dos protestos agendados por grupos a favor e contra e o governo e após novos posicionamentos (criticados) do presidente: foi a 6,2% a atuação do grupo bolsonarista.
Já na quarta-feira (18), houve novo aumento leve de presença da base pró-Bolsonaro, mas longe de alcançar os níveis anteriores ao início efetivo do impacto direto da pandemia no país e no debate público na rede. Foi a 8,5%, em função do investimento de influenciadores e atores políticos a favor do governo em engajar hashtags e mensagens de apoio a Bolsonaro.
Também nesta quarta-feira a base alinhada a perfis e partidos de esquerda e de oposição regular a Bolsonaro aumentou participação no debate, chegando a 18,2% das interações, também por conta do "panelaço" contra o presidente.
Ação coordenada sustenta posição da direita durante panelaço
Durante o dia 18 de março, 398 contas do Twitter amplificaram conteúdo de defesa ao presidente Jair Bolsonaro de forma aparentemente coordenada. Estas contas publicaram as hashtags #PanelacoContraAEsquerda, #PanelacoProBolsonaro, #Respeitem57MilhoesDeEleitores e #RespeiteOPresidente e geraram 20.844 retuítes, representando 13.3% do volume de interações registrados no grupo de defesa do Presidente no dia de ontem.
A suspeita de ação coordenada se dá pela concentração de publicações contendo as hashtags mencionadas em um curto período de tempo. O grupo apresentou média de 52,4 publicações por dia. As contas mais ativas do grupo chegaram a apresentar mais de 300 publicações cada no período de 24 horas. Além disso, todas as publicações destas contas foram retuítes, nenhuma publicação original foi criada por este grupo e todo conteúdo conteve ao menos uma das hashtags mencionadas.
Além da ação possivelmente coordenada, contas com claros sinais de automatização geraram 1.904 retuítes no grupo de apoio ao governo (1.21%) das interações do grupo.
Na oposição, composta por 70.630 perfis, 1.219 apresentaram claros sinais de automatização e foram responsáveis por 0.62% das 190 mil interações registradas no grupo.
Comentários CORRIGIR TEXTO