Porto Alegre, sábado, 17 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 17 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Política Monetária

- Publicada em 03h00min, 19/03/2020.

Entidades avaliam corte como ação necessária para evitar a recessão

BC e governo precisam de medidas arrojadas, diz Gilberto Petry

BC e governo precisam de medidas arrojadas, diz Gilberto Petry


LUIZA PRADO/JC
A redução não surpreendeu a Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs). Em nota, a instituição afirmou que, em meio ao surto do coronavírus e ao elevado risco de paralisação da economia brasileira, o Copom tenta atenuar o efeito da crise no País. "É muito cedo para mensurar o impacto do coronavírus na economia brasileira, mas sabemos que, na atividade industrial, será profundo, ainda mais se considerarmos que já estamos enfrentando a recuperação mais lenta da história do Brasil. Além disso, lidamos com um nível muito alto de desemprego, que corre o risco de aumentar nos próximos meses", afirmou o presidente da Fiergs, Gilberto Porcello Petry.
A redução não surpreendeu a Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs). Em nota, a instituição afirmou que, em meio ao surto do coronavírus e ao elevado risco de paralisação da economia brasileira, o Copom tenta atenuar o efeito da crise no País. "É muito cedo para mensurar o impacto do coronavírus na economia brasileira, mas sabemos que, na atividade industrial, será profundo, ainda mais se considerarmos que já estamos enfrentando a recuperação mais lenta da história do Brasil. Além disso, lidamos com um nível muito alto de desemprego, que corre o risco de aumentar nos próximos meses", afirmou o presidente da Fiergs, Gilberto Porcello Petry.
Por isso, de acordo com Petry, o Banco Central (BC) precisa fazer o que está ao seu alcance, e os juros mais baixos, que caíram para 3,75%, podem auxiliar junto com as decisões já anunciadas pelo governo federal no combate à crise. "O Banco Central e o Executivo precisam apresentar medidas arrojadas, com crédito barato, desburocratizado e com prazo dilatado para evitar que tenhamos uma grande elevação no número de falências de empresas", reforça ele.
A Confederação Nacional da Indústria (CNI) avalia que a decisão do Banco Central de cortar a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual vai no sentido correto. Entretanto, os efeitos da pandemia do coronavírus sobre a atividade econômica, com reflexos negativos sobre o crescimento da economia nacional e mundial, exigem um afrouxamento monetário mais agressivo.
"Há necessidade de reduções adicionais da Selic. A medida tem impacto direto sobre a situação financeira das empresas, que tende a se deteriorar durante o período pela queda na produção e nas vendas devido às restrições de circulação preventivas", afirmou o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.
Conforme Andrade, a magnitude dos cortes dependerá tanto da repercussão do novo coronavírus na economia doméstica e no resto do mundo como da resposta da atividade econômica às medidas, atuais e futuras, anunciadas pelo governo federal.
Já a Força Sindical "lamentou" e considerou tímida a redução. "Entendemos que, com esta queda conta-gotas, o Banco Central perde uma ótima oportunidade que poderia funcionar como um estímulo para a criação de novos empregos e alento para a produção no País", ressaltou, em nota.
Segundo Miguel Torres, presidente da Força Sindical, são necessárias, ainda, outras ações, como a implementação de outras políticas que priorizem a retomada dos investimentos, o crescimento da economia, a geração de empregos, a redução da desigualdade social, o combate à pobreza e a distribuição de renda.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO