Porto Alegre, quinta-feira, 19 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Consumo

Notícia da edição impressa de 19/03/2020. Alterada em 19/03 às 03h00min

Lojistas querem pedir moratória aos shoppings

Com os decretos para fechamento de shoppings em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre, a Associação Brasileira dos Lojistas Satélites (Ablos) publicou, nesta quarta-feira, uma nota afirmando que teme um "grande colapso no comércio varejista, com prejuízos que possam causar a quebra de muitas empresas".
Com os decretos para fechamento de shoppings em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre, a Associação Brasileira dos Lojistas Satélites (Ablos) publicou, nesta quarta-feira, uma nota afirmando que teme um "grande colapso no comércio varejista, com prejuízos que possam causar a quebra de muitas empresas".
A associação representa as lojas de menor porte nos shoppings. Ela tem cerca de 100 associados, entre eles, TNG, Barred's e Mr. Officer (vestuário), Doctor Feet (serviços), Casa do Pão de Queijo (alimentação) e SideWalk (calçados).
Na nota, a Ablos afirmou que se organiza para pedir moratória aos donos dos shoppings, além da isenção do aluguel ou cobrança apenas de um valor equivalente ao percentual das vendas.
No setor, o aluguel cobrado dos lojistas de shoppings é dividido em duas partes: um valor fixo, que representa a maior parte do pagamento, e um valor que varia de modo proporcional às vendas de cada loja.