Porto Alegre, segunda-feira, 16 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Varejo

Notícia da edição impressa de 16/03/2020. Alterada em 16/03 às 10h21min

Alta demanda reduz estoques de álcool em gel em Porto Alegre

Em uma farmácia, o único produto disponível era para uso exclusivo na loja

Em uma farmácia, o único produto disponível era para uso exclusivo na loja


NÍCOLAS CHIDEM/JC
Carlos Villela
Desde a confirmação do primeiro caso de coronavírus no Brasil, no dia 25 de fevereiro, e a confirmação da doença como pandemia em 11 de março, supermercados e farmácias estão buscando aumentar a estocagem de produtos de higiene e esterilização para atender a alta procura.
Desde a confirmação do primeiro caso de coronavírus no Brasil, no dia 25 de fevereiro, e a confirmação da doença como pandemia em 11 de março, supermercados e farmácias estão buscando aumentar a estocagem de produtos de higiene e esterilização para atender a alta procura.
De acordo com o subgerente da loja Center Shop, da avenida Osvaldo Aranha, na Capital, Luciano Brando, a partir desta terça-feira já se espera a entrega de 50 caixas de álcool gel para estoque. Ele conta que a área normalmente ocupada, de meia prateleira no corredor de produtos de higiene, não foi o suficiente. O produto agora passou a ser exposto em uma estante maior na entrada da loja, mas não dura muito. A procura por álcool gel antes do coronavírus exigia a aquisição de uma caixa por semana pela loja. Agora, este número subiu para 20 caixas por dia.
Além de mais pedidos de álcool gel, Brandão conta que a rede vai receber pela primeira vez máscaras descartáveis nesta semana. Comparando com o período da greve dos caminhoneiros em 2018, quando muitas pessoas faziam compras focando em estoque, a loja está atenta ao desenrolar da pandemia. Para evitar surpresas, a empresa já se reuniu para debater possíveis impactos nos hábitos de consumo, como o aumento de compras.
Na farmácia Drogaraia na esquina das ruas Jerônimo de Ornelas e Santana, o único álcool gel disponível para os clientes era o de uso na própria loja. Mesmo com uma renovação frequente de estoque e uma orientação para os clientes levarem no máximo cinco unidades, a supervisora Fernanda Araújo explica que "a demanda é muito maior que a oferta". Na Panvel na esquina das avenidas Venâncio Aires e João Pessoa, álcool gel e máscaras são os mais procurados, juntamente com luvas de borracha que começaram a ter bastante saída. De acordo com o funcionário Washington Freitas da Silva, os clientes são avisados que é difícil reservar álcool gel. "O pedido pode chegar em torno das 11h, é conferido às 13h e antes do fim do dia já não tem mais", diz.