Porto Alegre, segunda-feira, 16 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Estados Unidos

Notícia da edição impressa de 16/03/2020. Alterada em 16/03 às 03h00min

Casa Branca diz que teste de Trump deu negativo

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, testou negativo para o novo coronavírus, informou ontem o médico da Casa Branca, Sean Conley, em um comunicado. Mais cedo, fora anunciado que a temperatura do presidente estava "totalmente normal".
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, testou negativo para o novo coronavírus, informou ontem o médico da Casa Branca, Sean Conley, em um comunicado. Mais cedo, fora anunciado que a temperatura do presidente estava "totalmente normal".
No sábado, depois que autoridades da Casa Branca tomaram a decisão sem precedentes de verificar a temperatura dos jornalistas que entravam na sala de imprensa, Trump, de 73 anos, afirmou a repórteres que havia feito um teste para o vírus na noite de sexta-feira e que esperava os resultados em "um ou dois dias".
O presidente norte-americano fez o exame quase uma semana após ter se reunido com uma delegação do Brasil, no sábado passado. Dois integrantes da comitiva brasileira que se encontraram diretamente com Trump, o secretário de Comunicação, Fábio Wajngarten, e o encarregado de negócios em Washington, o embaixador Nestor Foster, tinham tido resultado positivo para o novo coronavírus.
O governo norte-americano anunciou no sábado que estenderá proibições de viagens ao Reino Unido e à Irlanda para tentar conter uma pandemia que tem afetado grande parte da rotina americana. O presidente dos EUA disse ainda que cidadãos do país devem reconsiderar viagens não essenciais e que sua administração está avaliando restrições a viagens domésticas.
"Isso vai piorar antes de melhorar", declarou Jerome Adams, administrador geral de saúde dos EUA na coletiva de imprensa. Mas ele acrescentou que "99% das pessoas vão se recuperar, e elas precisam saber disso".
O principal especialista em doenças infecciosas dos EUA, o diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas Anthony Fauci, disse que o país registrou 2.226 casos do novo coronavírus, mas ainda não atingiu o pico do surto. Ao menos 51 americanos já morreram.