Porto Alegre, sexta-feira, 06 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

COMENTAR | CORRIGIR

Universidade

Notícia da edição impressa de 06/07/2018. Alterada em 06/07 às 19h44min

Crescimento com base sólida

Entre os alunos da Escoop, 95% já estão inseridos em cooperativas que buscam aprimorar a qualificação de seus associados

Entre os alunos da Escoop, 95% já estão inseridos em cooperativas que buscam aprimorar a qualificação de seus associados


MARIANA CARLESSO/JC
"Qualificar nossa gente para que o cooperativismo se qualifique." É assim que Derli Schmidt, diretor-geral da Faculdade de Tecnologia do Cooperativismo - Escoop, define a importância de uma escola especializada, tendência mundial em ensino. "Uma academia própria faz do cooperativismo uma ciência. Estamos construindo conhecimento. Essa base teórica dá respaldo à prática. Formar cooperativistas é tão importante quanto formar cooperativas", diz Schmidt.
Em países que são referência em cooperativismo, como a Alemanha, as escolas especializadas já são uma realidade. Os alemães contam com nove instituições de ensino dedicadas ao cooperativismo. "Muito do sucesso do modelo é atribuído ao desenvolvimento do conhecimento acadêmico", comenta o executivo. A Escoop é a primeira instituição a dedicar-se exclusivamente ao tema. "Brasil afora, é possível encontrar inúmeros cursos de Administração de Empresas. No entanto, há pouco espaço para tratar do modelo cooperativista de gestão. E é necessário um enfoque bastante diferente, é preciso mudar a maneira de conduzir negócios quando se coopera internamente e se compete externamente", explica.
Entre os alunos, 95% já estão inseridos em cooperativas que buscam, cada vez mais, a qualificação. A faculdade foi credenciada pelo Ministério da Educação (MEC) em julho de 2011. Desde a realização do primeiro vestibular, formou mais de 3 mil alunos em cursos de graduação, pós-graduação e MBA. Os associados e os empregados de cooperativas têm direito a bolsas de estudo na graduação e na pós-graduação, o que representa um desconto de 70% na mensalidade.
O conhecimento teórico deve dar base para a eficiência gerencial. Por isso, a Escoop desenvolve cursos de pós-graduação que respondam às demandas das próprias cooperativas, formando profissionais mais preparados para cada ramo, considerando suas peculiaridades. Além do MBA em Gestão de Cooperativas, oferece cursos focados em temas como recursos humanos, auditoria e contabilidade, e outros específicos, como agronegócio, cooperativas odontológicas e vitivinícolas. As aulas acontecem em Porto Alegre, mas também há turmas em cidades do interior do Estado.
A cada novo semestre, a Escoop tem lista de espera. A procura se dá, também, pela qualidade do ensino. A faculdade é avaliada pelo MEC com alto conceito
(nota 4 em uma escala que vai até 5), colocando-se entre as mais bem-avaliadas faculdades do País. "Cabe dizer que apenas 18% das faculdades brasileiras alcançam esta marca. No futuro, esperamos ter faculdades assim em cada uma das regiões do Estado para que se crie uma rede de conhecimento. A repercussão da educação é algo que vem com o tempo. Mas percebo que o cooperativismo já não é mais um elemento estranho em nossa sociedade e acredito que isso passa, também, pela qualificação dos seus profissionais", afirma Schmidt.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia