Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021.

Editorial

Compartilhar

editorial

- Publicada em 03h00min, 17/02/2021.

A esperança da volta à normalidade e os negócios

O ano de 2020 foi marcado por mudanças e adaptações. A pandemia de Covid-19 transformou a forma como socializamos, estudamos e trabalhamos. Nesse meio-tempo, a cara de Porto Alegre também se modificou.
O ano de 2020 foi marcado por mudanças e adaptações. A pandemia de Covid-19 transformou a forma como socializamos, estudamos e trabalhamos. Nesse meio-tempo, a cara de Porto Alegre também se modificou.
Com as recomendações de distanciamento social, o resguardo para evitar o vírus fez diminuir o movimento nas ruas e interromper atividades do comércio e de serviços. Infelizmente, os impactos da pandemia foram além, causando o fechamento permanente de muitos estabelecimentos tradicionais de Porto Alegre.
Pontos icônicos da cidade não resistiram às dificuldades causadas pelo coronavírus. Existente há 45 anos, o bar Bambus deixou órfã uma geração da boemia porto-alegrense. O tradicional Van Gogh, na Cidade Baixa, foi posto à venda, enquanto o hotel Everest, no Centro Histórico, foi fechado. Os clientes do restaurante Muralha da China, fechado em setembro, também não podem mais contar com o farto buffet.
O início de 2021 seguiu apresentando os reflexos da crise: o tradicional restaurante Copacabana fechou o seu casarão, passando a atender apenas pela tele-entrega; a Pizzinha, há 22 anos no bairro Cidade Baixa, também passou apenas para o delivery; e o Agápio Lanches, há 30 anos operando no Menino Deus, não resistiu às dificuldades impostas pela pandemia e fechou as portas.
A reinvenção dos negócios, com a mudança para o serviço de entrega foi uma das saídas. E teve também empreendedores que lançaram novas operações, mesmo durante a crise do coronavírus, explorando novos nichos de mercado ou aproveitando o crescimento de setores como de entregas, já citado, e que registrou altas significativas em suas demandas. A crise acelerou mudanças, novos caminhos e o uso de canais digitais.
Com a chegada da vacina, espera-se um novo momento, em que as operações tradicionais continuem a fazer sucesso, que outras voltem a funcionar e que novos negócios floresçam.
Quando a imunização for ampliada, com certeza daremos um passo importante para a volta da normalidade nas atividades econômicas.
Enquanto isso, é necessário seguir cumprindo os protocolos sanitários, com o uso de máscara e o distanciamento social. Ainda assim, a esperança na retomada gradual das atividades aos poucos, com segurança, já permite pensar em uma Porto Alegre novamente vibrante, repleta de vida e de movimento.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO