Porto Alegre, domingo, 15 de maio de 2022.
Dia do Assistente Social.
Porto Alegre,
domingo, 15 de maio de 2022.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Combustíveis

- Publicada em 15/05/2022 às 18h16min.

Bolsonaro diz que não haverá tabelamentos de combustíveis na Petrobras

Presidente levantou a possibilidade de mudança ds política de preços da estatal

Presidente levantou a possibilidade de mudança ds política de preços da estatal


MAURO PIMENTEL/AFP/JC
O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse na tarde deste domingo (15) que a Petrobras não tabelará o preço dos combustíveis e insinuou uma possível mudança na política de preços da estatal.
O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse na tarde deste domingo (15) que a Petrobras não tabelará o preço dos combustíveis e insinuou uma possível mudança na política de preços da estatal.
"Ninguém vai tabelar preço de combustível nem intervir na Petrobras", afirmou durante passeio de moto por diversos pontos em Brasília.
"O que eu acho que Petrobras poderia fazer, tem um artigo constitucional que fala da finalidade social da Petrobras. Não está sendo levado em conta. A paridade internacional só existe no Brasil", acrescentou.
Bolsonaro se referia ao PPI (Preço de Paridade de Importação), política de preços adotada na estatal a partir do governo de Michel Temer que atrela o preço de venda do petróleo produzido pela Petrobras ao praticado no exterior.
O presidente da República levantou a possibilidade de mudança dessa política.
"O PPI não é uma lei, é uma resolução do Conselho [de Administração da Petrobras]. Se o Conselho achar que tem de mudar, muda, mas população como um todo não pode sofrer essa barbaridade porque atrelado ao preço do combustível está a inflação e poder aquisitivo da população está lá embaixo", disse.
Ainda durante o passeio, em uma parada para cumprimentar apoiadores, Bolsonaro disse que faria uma reunião em breve com o novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, para ficarem "100% alinhados".
A perguntas sobre se haveria novas trocas no comando da Petrobras, o presidente respondeu: "Você pergunta para o Adolfo Sachsida, que a Petrobras tá ligada diretamente a ele e não comigo".
Em sua live semanal na semana passada, Bolsonaro sinalizou que poderia fazer novas "mudanças de pessoas", ao mencionar a companhia.
A saída de Bento Albuquerque da pasta fragilizou a posição de José Mauro Coelho no comando da empresa, avaliam integrantes do governo ouvidos pela Folha.
No passeio de moto em Brasília no início desta tarde, o presidente da República evitou o tema e disse que "todos os ministros têm carta branca" e que "com certeza Sachsida será um bom ministro".
O preço dos combustíveis se tornou um problema para as pretensões eleitorais de Bolsonaro, que tem criticado a política da Petrobras há algum tempo. Na semana passada, ele afirmou que o lucro de R$ 44,5 bilhões da companhia no primeiro trimestre deste ano é um "estupro" e um "absurdo".
No fim de março, o presidente da República fez a segunda mudança no comando da empresa em seu governo. Pouco mais de um mês depois, decidiu substituir o ministro de Minas e Energia.
Em outra frente, Bolsonaro foi ao STF (Supremo Tribunal Federal) para tentar forçar os governadores a diminuir a alíquota do tributo, o que aliviaria em parte a alta nos preços dos combustíveis.
Na sexta (13), o ministro André Mendonça suspendeu em decisão liminar (provisória) cláusulas de uma norma contrária à lei que instituiu uma alíquota única de ICMS sobre o óleo diesel para todos os estados, em reais por litro, cobrada apenas na etapa de produção.
Os secretários estaduais da Fazenda se reuniram neste sábado (14) para discutir como reverter o problema.
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO
Leia também