Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Economia

- Publicada em 10 de Maio de 2022 às 09:53

Dólar recua em meio a quedas de juro de Treasuries após ata e dados de varejo

Às 9h28, o dólar à vista tinha viés de baixa de 0,02%, a R$ 5,1555

Às 9h28, o dólar à vista tinha viés de baixa de 0,02%, a R$ 5,1555


FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC
Agência Estado
O dólar recua nesta manhã no mercado à vista com uma realização de lucros induzida pela desvalorização no exterior ante pares emergentes do real e ligados a commodities, após acumular ganhos de mais de 4% no mercado local em maio até ontem. Os investidores ajustam posições considerando ainda a baixa dos juros dos Treasuries e do petróleo em meio a pano de fundo de cautela persistente com a política monetária mais agressiva do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) para combater a inflação elevada nos EUA.
O dólar recua nesta manhã no mercado à vista com uma realização de lucros induzida pela desvalorização no exterior ante pares emergentes do real e ligados a commodities, após acumular ganhos de mais de 4% no mercado local em maio até ontem. Os investidores ajustam posições considerando ainda a baixa dos juros dos Treasuries e do petróleo em meio a pano de fundo de cautela persistente com a política monetária mais agressiva do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) para combater a inflação elevada nos EUA.
A ata da mais recente reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada mais cedo, reforça a sinalização de "extensão do ciclo, com um ajuste menor" em junho. Na semana passada o comitê do Banco Central elevou a Selic de 11,75% para 12,75% ao ano.
Os dados de varejo restrito e ampliado no País vieram fortes, porém, seguem abaixo ainda dos picos alcançados, respectivamente, em outubro de 2020 e agosto de 2012.
Também seguem no radar dos investidores os riscos de desaceleração da economia americana e mundial por causa da continuidade da guerra entre Rússia e Ucrânia e da ampliação do confinamento em Xangai, na China, por causa da política de Covid zero no país, que apoiam incertezas sobre a atividade econômica e demanda por commodities, como petróleo, metais e produtos agrícolas.
Em véspera do indicador de inflação CPI dos EUA e do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no Brasil, o rumo dos ativos locais deve depender ainda do tom dos discursos de seis dirigentes do Federal Reserve ao longo do dia em relação aos próximos passos do Fed no aperto de juros e para redução do seu balanço patrimonial.
Mais cedo, o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) subiu 0,23% na primeira prévia de maio, após alta de 1,88% na mesma leitura de abril. Todos os componentes do índice arrefeceram no período.
Já o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede a inflação na cidade de São Paulo, subiu 1,33% na primeira quadrissemana de maio, desacelerando em relação ao ganho de 1,62% verificado em abril, segundo dados publicados hoje pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).
Às 9h28, o dólar à vista tinha viés de baixa de 0,02%, a R$ 5,1555, após mínima a R$ 5,1370. O dólar para junho caía 0,20%, a R$ 5,1865.
Conteúdo Publicitário
Leia também
Comentários CORRIGIR TEXTO