Porto Alegre, quarta-feira, 05 de janeiro de 2022.
Porto Alegre,
quarta-feira, 05 de janeiro de 2022.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado imobiliário

- Publicada em 05/01/2022 às 11h00min.

Preço de imóveis tem alta de 5,29% no Brasil, maior desde 2014

Porto Alegre registrou elevação de  5,54% no acumulado do ano de 2021

Porto Alegre registrou elevação de 5,54% no acumulado do ano de 2021


LUIZA PRADO/JC
Análise do último mês do índice FipeZap, que acompanha o comportamento do preço médio de venda de imóveis residenciais em 50 cidades brasileiras, apresentou elevação de 0,48% em dezembro de 2021, após alta de 0,53% em novembro. Comparativamente, a expectativa do mercado para a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de dezembro de 2021 é de alta de 0,68%, segundo informação divulgada no último Boletim Focus do Banco Central do Brasil - resultado que, caso efetivado, representará uma queda real de 0,20% no índice.
Análise do último mês do índice FipeZap, que acompanha o comportamento do preço médio de venda de imóveis residenciais em 50 cidades brasileiras, apresentou elevação de 0,48% em dezembro de 2021, após alta de 0,53% em novembro. Comparativamente, a expectativa do mercado para a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de dezembro de 2021 é de alta de 0,68%, segundo informação divulgada no último Boletim Focus do Banco Central do Brasil - resultado que, caso efetivado, representará uma queda real de 0,20% no índice.
Com os últimos resultados do ano, o FipeZap encerrou 2021 com alta acumulada de 5,29% - o maior avanço desde 2014, período em que os preços dos imóveis residenciais apresentação uma elevação nominal de 6,70%. Na comparação com a inflação acumulada pelo IPCA no ano pasado, que é de 9,28%, todavia, a alta nominal do índice se traduz em uma queda de 3,66% em termos reais.
Na ótica desagregada, apenas 3 das 50 cidades monitoradas encerraram o ano com recuo nominal no preço médio de venda de imóveis residenciais: Santos (-2,07%), Campinas (-0,44%) e Niterói (-0,36%). Em Porto Alegre, a elevação média dos preços de imóveis ficou em 5,54%
Entre as outras 46 cidades, 17 apresentaram alta superior à inflação acumulada no ano, sendo as mais expressivas em Itajaí (23,77%), Itapema (23,57%), Balneário Camboriú (21,21%), Vila Velha (20,24%), Vitória (19,86%), Maceió (18,50%), São José (18,16%), Florianópolis (15,74%), Curitiba (15,41%) e Goiânia (13,70%). Considerando-se apenas as 16 capitais incluídas no índice, por sua vez, todas encerraram o ano com elevação nominal no preço de venda, embora apenas 6 delas tenham apresentado uma variação superior à inflação: Vitória (19,86%), Maceió (18,50%), Florianópolis (15,74%), Curitiba (15,41%), Goiânia (13,70%) e Manaus (9,48%). Em São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Salvador, as altas acumuladas em 2021 foram de 4,13%, 3,06%, 2,16% e 1,57%, respectivamente.
No mês de dezembro, também foram 47 as cidades monitoradas pelo índice que apresentaram aumento nominal de preço de venda de imóveis residenciais, sendo que em 24 delas a variação apurada pelo FipeZap superou a inflação esperada para dezembro. Em termos de magnitude, as altas mais expressivas no último mês foram registradas em: Balneário Camboriú (2,94%), São José (2,70%), São José dos Campos (2,55%), Vila Velha (2,36%), Maceió (2,17%), Pelotas (2,02%), Florianópolis (1,56%), Itapema (1,29%), Curitiba (1,25%) e Goiânia (1,13%).
Levando-se em conta apenas os resultados para as 16 capitais incluídas no índice, apenas Manaus apresentou recuo no preço dos imóveis residenciais (-1,14%), contrapondo-se às altas apuradas em: Vitória (1,10%), João Pessoa (0,89%), Campo Grande (0,86%), Fortaleza (0,75%), Brasília (0,51%), Recife (0,42%), Porto Alegre (0,37%), São Paulo (0,36%), Belo Horizonte (0,30%), Salvador (0,20%) e Rio de Janeiro (+0,20%).
Com base na amostra de anúncios de imóveis residenciais para venda em dezembro de 2021, o preço médio calculado para as 50 cidades monitoradas pelo Índice FipeZap foi de R$ 7.874/m². Entre elas, os maiores valores médios foram apurados em São Paulo (R$ 9.708/m²), Rio de Janeiro (R$ 9.650/m²), Balneário Camboriú (R$ 9.358/m²), Itapema (R$ 8.856/m²), Brasília (R$ 8.788/m²), Florianópolis (R$ 8.582/m²), Vitória (R$ 8.562/m²).
Já a lista com as cidades com menor preço médio de venda para imóveis residenciais incluiu Betim (R$ 3.091/m²), São José dos Pinhais (R$ 3.788/m²), Pelotas (R$ 3.914/m²/m²), São Vicente (R$ 4.047/m²), Ribeirão Preto (R$ 4.147/m²), São Leopoldo (R$ 4.171/m²) e Londrina (R$ 4.206/m²), além das capitais Campo Grande (R$ 4.569/m²), João Pessoa (R$ 4.893/m²) e Goiânia (R$ 5.114/m²).
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO