Porto Alegre, quinta-feira, 23 de dezembro de 2021.
Porto Alegre,
quinta-feira, 23 de dezembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 23/12/2021 às 19h49min.

Na última sessão integral antes do Natal, dólar encerra em baixa de 0,08%

No futuro para janeiro a cotação ficou em R$ 5,6720, alta de 0,17%

No futuro para janeiro a cotação ficou em R$ 5,6720, alta de 0,17%


MARCELLO CASAL JR/ABR /JC
Depois de uma oferta hostil no mercado à vista, quando o Banco Central vendeu integralmente US$ 965 milhões, o dólar spot se manteve comportado ao redor dos R$ 5,66 ora oscilando em leve alta, ora em leve baixa. No meio do dia, um fluxo comprador levou a moeda para a faixa dos R$ 5,7182, na máxima intraday e foi o gatilho para a autoridade monetária entrar suprindo a demanda.
Depois de uma oferta hostil no mercado à vista, quando o Banco Central vendeu integralmente US$ 965 milhões, o dólar spot se manteve comportado ao redor dos R$ 5,66 ora oscilando em leve alta, ora em leve baixa. No meio do dia, um fluxo comprador levou a moeda para a faixa dos R$ 5,7182, na máxima intraday e foi o gatilho para a autoridade monetária entrar suprindo a demanda.
Assim, na última sessão integral antes do Natal, o dólar à vista encerrou em baixa de 0,08%, cotado a R$ 5,6631, acumulando perda de 0,39% na semana, mas avanço de 0,49% no mês. No futuro para janeiro a cotação ficou em R$ 5,6720, alta de 0,17%.
"Pelo que acompanhamos aqui houve uma saída de recursos concentrada no fim da manhã desta quinta-feira, com o dólar casado bem pressionado", disse Sérgio Zanini, gestor e sócio da Galapagos Capital. "Esse movimento não deveria estar previamente mapeado pelo Banco Central, mas percebendo a pressão, resolveu atuar".
A pressão no mercado à vista ainda foi referente à necessidade de empresas que precisam remeter dinheiro para fora para pagar dívida ou dividendos, no caso de companhias listadas em bolsas no exterior.
Zanini acredita que, pelo bom comportamento da moeda durante a tarde, a autoridade monetária conseguiu suprir o mercado, que parecia "estar furado" pela manhã. De fato, o dólar abriu em queda e chegou a operar na mínima a R$ 5,6284, em linha com o enfraquecimento da divisa no mercado externo onde, durante toda a sessão, deu espaço para que moedas de países emergentes se valorizassem. Inclusive, nesse contexto, a divisa da Turquia deu continuidade ao movimento de recuperação que veio com o anúncio nesta semana de medidas cambiais e durante a sessão o dólar chegou a recuar para baixo da cotação de 11 liras turcas.
"Em dezembro, houve uma distorção grande do comportamento do real em relação aos seus pares", notou o gestor da Galápagos.
Dada a pressão doméstica, o BC vem vendendo dólares à vista. No primeiro leilão no início desta tarde vendeu US$ 190 milhões com taxa de corte de R$ 5,6795 e aceitou três propostas. O dólar recuou pontualmente para R$ 5,68, mas em seguida voltou aos R$ 5,70. Foi então que a autoridade monetária ofertou US$ 775 milhões com taxa de corte de R$ 5,6750 e aceitou oito propostas. Depois disso, a cotação ficou rondando os R$ 5,66. Esse total de US$ 965 milhões de hoje se somam aos US$ 3,872 bilhões vendidos desde o dia 10 de dezembro
Agência Estado
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO