Porto Alegre, quinta-feira, 02 de dezembro de 2021.
Dia Nacional do Astrônomo. Dia do Samba. Dia Pan-Americano da Saúde.
Porto Alegre,
quinta-feira, 02 de dezembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Automotivo

- Publicada em 02/12/2021 às 16h38min.

Vendas de veículos novos caem 23,1% no pior novembro em 16 anos

Segundo a Fenabrave, foram comercializadas 173 mil unidades em todo o País no mês passado

Segundo a Fenabrave, foram comercializadas 173 mil unidades em todo o País no mês passado


ANDRESSA PUFAL/JC
Prejudicado pela falta de modelos nas concessionárias, o mercado de veículos novos no País recuou 23,1% no mês passado contra igual período de 2020. Na soma de carros de passeio, utilitários leves, caminhões e ônibus, 173 mil unidades foram vendidas em novembro, segundo balanço divulgado nesta quinta-feira (2) pela Fenabrave, associação que representa as revendas.
Prejudicado pela falta de modelos nas concessionárias, o mercado de veículos novos no País recuou 23,1% no mês passado contra igual período de 2020. Na soma de carros de passeio, utilitários leves, caminhões e ônibus, 173 mil unidades foram vendidas em novembro, segundo balanço divulgado nesta quinta-feira (2) pela Fenabrave, associação que representa as revendas.
Sem repetir o desempenho fraquíssimo de setembro e outubro, os dois piores meses do ano, a indústria afasta o risco de terminar 2021 abaixo de 2020, como chegou a cogitar a Anfavea, a entidade das montadoras. Mesmo assim, o setor teve, no agregado de todas as categorias, o pior novembro em vendas em 16 anos.
A falta de componentes eletrônicos, dada a escassez global de chips, segue sem dar trégua, comprometendo a oferta de produtos nas lojas. No mês passado, a produção de carros voltou a ser completamente interrompida na Honda (sete dias em Sumaré e dois em Itirapina) e nas fábricas da Volkswagen em São José dos Pinhais, por duas semanas, e Taubaté (cinco dias).
Além disso, a produção da Volks no ABC paulista e da General Motors (GM) em São José dos Campos (SP) foi parcialmente suspensa, com redução de um turno, enquanto 1,8 mil trabalhadores do segundo turno da Fiat continuaram afastados da fábrica pelo segundo mês.
No acumulado desde o início do ano, as vendas chegaram a 1,91 milhão de veículos no mês passado, 5,4% a mais do que no mesmo período de 2020. Sempre é preciso contextualizar, no entanto, que a base de comparação é fraca. No ano passado as vendas foram afetadas pela chegada da pandemia ao País, que causou, inclusive, o fechamento de concessionárias de carros em alguns dos maiores mercados por pelo menos dois meses.
Ao comentar o resultado de novembro, o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, destacou que a oferta e aprovação de crédito seguem em bom patamar, porém as vendas de carros estão sendo "moduladas" pela disponibilidade de veículos. Segundo ele, a alta de juros pode afetar a demanda nos próximos meses.
"Dados os desafios enfrentados nos últimos meses, como a crise de abastecimento global e alta de juros no País, penso que é um ótimo desempenho, ainda que sobre uma base comparativa mais baixa, de 2020", afirmou Alarico ao avaliar o desempenho do mês passado.

Vendas de motos sobem 19,1% em novembro ante novembro de 2020, diz Fenabrave

Mercado de motocicletas continua aquecido e, em abril, houve uma boa regularização na produção
No total, 106,5 mil motos foram vendidas no Brasil
CLAITON DORNELLES/arquivo/JC
As vendas de motos tiveram crescimento de 19,1% em novembro, na comparação com o mesmo período do ano passado, informou nesta quinta-feira (2) a Fenabrave, entidade que representa as concessionárias.
 
No total, 106,5 mil unidades foram vendidas, 9,8% a mais do que em outubro.
 
Com o resultado, as vendas de motos fecharam os onze primeiros meses do ano acumulando crescimento de 28%, somando pouco mais de 1 milhão de unidades emplacadas.
 
Ao comentar o balanço de novembro, o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, disse que o desempenho se deve à melhora no tempo de entrega das motos pelas montadoras.
 
A indústria, sediada no polo industrial de Manaus (AM), vêm acelerando a produção após as filas de espera formadas nos primeiros meses do ano por conta de restrições de funcionamento das fábricas em proteção à covid-19.
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO