Porto Alegre, sexta-feira, 26 de novembro de 2021.
Porto Alegre,
sexta-feira, 26 de novembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 26/11/2021 às 17h23min.

Bolsas de NY caem mais de 2%, com aversão a risco gerada por nova cepa

O índice Dow Jones encerrou o pregão em baixa de 2,53%, a 34.899,34 pontos, o S&P 500 caiu 2,27%, a 4.594,62 pontos, e o Nasdaq teve queda de 2,23%%, a 15.491,66 pontos

O índice Dow Jones encerrou o pregão em baixa de 2,53%, a 34.899,34 pontos, o S&P 500 caiu 2,27%, a 4.594,62 pontos, e o Nasdaq teve queda de 2,23%%, a 15.491,66 pontos


JOHANNES EISELE/AFP/JC
As bolsas de Nova York fecharam em forte queda nesta sexta-feira (26), um dia após o feriado do Dia de Ação de Graças, em uma sessão marcada pela aversão a risco. A cautela foi gerada pela nova cepa da Covid-19 identificada na África do Sul. A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou omicron como "variante de preocupação" e ressaltou suas diversas mutações, o que gerou incertezas sobre a recuperação da economia global. Após o fechamento dos mercados, que ocorreu mais cedo hoje, a Casa Branca anunciou restrições de viagens da região sul da África.
As bolsas de Nova York fecharam em forte queda nesta sexta-feira (26), um dia após o feriado do Dia de Ação de Graças, em uma sessão marcada pela aversão a risco. A cautela foi gerada pela nova cepa da Covid-19 identificada na África do Sul. A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou omicron como "variante de preocupação" e ressaltou suas diversas mutações, o que gerou incertezas sobre a recuperação da economia global. Após o fechamento dos mercados, que ocorreu mais cedo hoje, a Casa Branca anunciou restrições de viagens da região sul da África.
Nesse contexto, o índice acionário Dow Jones encerrou o pregão em baixa de 2,53%, a 34.899,34 pontos, maior perda diária desde outubro de 2020, o S&P 500 caiu 2,27%, a 4.594,62 pontos, e o Nasdaq teve queda de 2,23%%, a 15.491,66 pontos.
De acordo com a CIBC Economics, a nova variante levantou preocupações de que possa romper a imunidade proporcionada pelas vacinas. Para a Capital Economics, a reação nos mercados de ações seguiu um manual agora conhecido. "Qualitativamente, o padrão tem sido semelhante ao observado no início de 2020, quando o vírus começou a se espalhar rapidamente", afirma a consultoria.
A Capital destaca que a fraqueza do mercado acionário hoje se concentrou em empresas de setores diretamente vulneráveis a restrições de mobilidade, como viagens e lazer, e de setores sensíveis ao estado geral da economia, como bancos e energia. "Em comparação, os cuidados de saúde, tecnologia e telecomunicações declinaram apenas ligeiramente", afirma a consultoria.
No S&P 500, os subíndices de energia (-4,04%) e financeiro (-3,27%) lideraram as quedas. As ações da petroleira Chevron cederam 2,29% e as do Bank of America caíram 3,93%. Os papéis da companhia aérea American Airlines recuavam 8,79% e os da operadora de cruzeiros Royal Caribbean, 13,22%. Boeing teve perda de 5,41%, mas as farmacêuticas Moderna e Pfizer subiram 20,57% e 6,11%, respectivamente.
Na visão do analista Nigel Green, do Grupo deVere, a nova variante afetará temporariamente os mercados financeiros, mas as preocupações serão rapidamente ignoradas pelos investidores. "As ações globais saltaram 16% este ano, com os investidores se concentrando na recuperação econômica pós-pandemia. Eles praticamente ignoraram a variante delta, que causou uma pequena onda de nervosismo no mercado no verão do hemisfério norte", afirma.
Nos Estados Unidos, a Black Friday foi ofuscada hoje pela nova variante. Embora a alta da inflação seja um fator negativo para os consumidores americanos, havia uma elevada expectativa de que eles poderiam ir às compras para aproveitar as promoções.
Agência Estado
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO