Porto Alegre, sexta-feira, 19 de novembro de 2021.
Dia da Bandeira.
Porto Alegre,
sexta-feira, 19 de novembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Conjuntura

- Publicada em 19/11/2021 às 16h05min.

Campos Neto: risco-país precisa melhorar muito para não precisar de 'salvaguarda'

O presidente do Banco Central argumentou que, apesar da alta de juros, o custo de reservas hoje é menor que no passado

O presidente do Banco Central argumentou que, apesar da alta de juros, o custo de reservas hoje é menor que no passado


MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL/JC
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta sexta-feira (19) que o risco-País do Brasil precisa "melhorar muito" para não precisar da "salvaguarda" das reservas internacionais. "As reservas protegem o País em momentos de interrupção abrupta de fluxos", disse, em participação no evento Meeting News, organizado pelo Grupo Parlatório.
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta sexta-feira (19) que o risco-País do Brasil precisa "melhorar muito" para não precisar da "salvaguarda" das reservas internacionais. "As reservas protegem o País em momentos de interrupção abrupta de fluxos", disse, em participação no evento Meeting News, organizado pelo Grupo Parlatório.
O presidente do BC destacou que hoje há pouco menos de US$ 300 bilhões em posição cambial líquida. Ele ainda argumentou que, apesar da alta de juros, o custo de reservas hoje é menor que no passado.
Em relação a ideias de usar as reservas para gastos correntes, Campos Neto lembrou que foram acumuladas no País com emissão de dívida. "Se pegar US$ 50 bilhões em reservas e usar em programa social, é igual a só emitir dívida. Reservas têm valor, quando real desvaloriza dívida líquida cai", lembrou.
Agência Estado
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO