Porto Alegre, quarta-feira, 27 de outubro de 2021.
Porto Alegre,
quarta-feira, 27 de outubro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 27/10/2021 às 15h08min.

Ouro fecha em alta, apoiado por queda do dólar e dos juros longos dos Treasuries

Na Comex, o ouro com entrega prevista para dezembro encerrou a sessão com ganho de 0,30%, a US$ 1.798,80 a onça-troy

Na Comex, o ouro com entrega prevista para dezembro encerrou a sessão com ganho de 0,30%, a US$ 1.798,80 a onça-troy


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
O contrato futuro de ouro mais ativo fechou em alta nesta quarta-feira (27), ajudado pela enfraquecimento do dólar no mercado internacional e pela queda dos juros longos dos Treasuries.
O contrato futuro de ouro mais ativo fechou em alta nesta quarta-feira (27), ajudado pela enfraquecimento do dólar no mercado internacional e pela queda dos juros longos dos Treasuries.
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange, o ouro com entrega prevista para dezembro encerrou a sessão com ganho de 0,30%, a US$ 1.798,80 a onça-troy.
Nos últimos dias, o metal precioso tem se mostrado sensível às oscilações dos mercados de renda fixa e câmbio. Como compete com os títulos públicos como reserva de segurança, o ouro tende a se beneficiar em momentos em que os rendimentos estão em baixa.
O analista Carsten Menke, do Julius Baer, explica que os últimos movimentos de retomada do ouro foram abreviados por fatores técnicos. "Os preços começaram quatro períodos de recuperação desde a primavera no Hemisfério Norte, refletindo a fraqueza temporária do dólar americano ou a queda temporária dos rendimentos dos títulos reais dos EUA, mas todos eles encontraram resistência", lembra.
O especialista entende que, apesar da recente escalada, a inflação global ainda não está em nível alto suficiente para deflagrar uma busca por ouro, como ocorreu durante o ciclo inflacionário dá década de 1970 nos Estados Unidos.
A partir do entendimento de que a tendência é temporária, ele acredita que o ouro deve ficar de lado. "As oscilações de preços de curto prazo e impulsionadas pelo sentimento podem aumentar, mas qualquer recuperação que não seja apoiada por investidores em busca de portos-seguros deve encontrar resistência, enquanto o crescimento global permanecer em modo de recuperação", conclui.
Agência Estado
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO