Porto Alegre, sexta-feira, 22 de outubro de 2021.
Dia do Enólogo.
Porto Alegre,
sexta-feira, 22 de outubro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 22/10/2021 às 17h10min.

Ouro fecha em alta, com dólar fraco e juros dos Treasuries pressionados

Na Comex, o ouro com entrega marcada para dezembro encerrou a sessão com ganho de 0,81%, a US$ 1.796,30 a onça-troy

Na Comex, o ouro com entrega marcada para dezembro encerrou a sessão com ganho de 0,81%, a US$ 1.796,30 a onça-troy


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
O contrato futuro de ouro mais ativo fechou em alta nesta sexta-feira (22), apoiado pelo enfraquecimento do dólar no mercado internacional. O contínuo avanço das expectativas de inflação nos Estados Unidos mantêm os rendimentos reais dos Treasuries em baixa, o que oferece suporte ao metal precioso.
O contrato futuro de ouro mais ativo fechou em alta nesta sexta-feira (22), apoiado pelo enfraquecimento do dólar no mercado internacional. O contínuo avanço das expectativas de inflação nos Estados Unidos mantêm os rendimentos reais dos Treasuries em baixa, o que oferece suporte ao metal precioso.
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro com entrega marcada para dezembro encerrou a sessão com ganho de 0,81%, a US$ 1.796,30 a onça-troy. Na comparação semanal, houve avanço de 2,16%.
Apesar do tom misto nesta sexta, os juros dos Treasuries estão em trajetória ascendente nos últimos dias, de acordo com o Commerzbank.
"Como as expectativas de inflação baseadas no mercado subiram para o máximo de nove anos ao mesmo tempo, os rendimentos reais caíram ligeiramente, o que presumivelmente deu suporte ao ouro", explica.
Os títulos públicos e o metal precioso competem como reserva de segurança. Por isso, o recuo dos retornos tendem a favorecer o ouro, que não entrega juros como os bônus. O ativo também é beneficiado pela desvalorização do dólar, ao torná-lo mais barato e, dessa forma, mais atraente.
Agência Estado
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO