Porto Alegre, terça-feira, 19 de outubro de 2021.
Dia do Profissional de Informática. Dia da Inovação.
Porto Alegre,
terça-feira, 19 de outubro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 19/10/2021 às 17h32min.

Ouro fecha em alta, impulsionado pela desvalorização global do dólar

Na Comex, o ouro com entrega prevista para dezembro subiu 0,27%, a US$ 1.770,5 a onça-troy

Na Comex, o ouro com entrega prevista para dezembro subiu 0,27%, a US$ 1.770,5 a onça-troy


XB100 VIA FREEPIK/DIVULGAÇÃO/JC
O ouro fechou com ganhos nesta terça-feira (19), impulsionado pela desvalorização global do dólar. Quando a moeda americana se enfraquece, as commodities ficam mais baratas e atrativas para quem negocia com outras divisas. Esta é a primeira alta do metal precioso em três sessões.
O ouro fechou com ganhos nesta terça-feira (19), impulsionado pela desvalorização global do dólar. Quando a moeda americana se enfraquece, as commodities ficam mais baratas e atrativas para quem negocia com outras divisas. Esta é a primeira alta do metal precioso em três sessões.
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro com entrega prevista para dezembro subiu 0,27%, a US$ 1.770,5 a onça-troy.
"O preço do ouro se recuperou de ontem para hoje para US$ 1.780 por onça troy, com o suporte do dólar mais fraco", escreveu o analista Daniel Briesemann, do Commerzbank, em uma análise publicada no começo do pregão.
Mesmo assim, segundo o profissional do banco alemão, o preço do ouro ainda "carece de um fator-chave de suporte" para subir mais.
O dólar se enfraqueceu hoje devido a uma conjunção de fatores. O apetite por risco prevaleceu nos mercados globais, principalmente em Nova York, onde balanços corporativos impulsionaram as bolsas.
Além disso, fatores que têm valorizado o dólar, como a cada vez mais provável redução das compras de ativos do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), já estão precificados, de acordo com o analista de mercado Joe Manimbo, da Western Union.
"Embora o Fed pareça estar no caminho para aumentar as taxas de juros no próximo ano, a espera por juros de empréstimo mais altos parece mais curta no exterior, como na Grã-Bretanha", acrescenta Manimbo. Não à toa, uma das moedas que mais se valorizou hoje contra o dólar foi a libra.
Agência Estado
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO