Porto Alegre, segunda-feira, 11 de outubro de 2021.
Dia Internacional do Combate à Obesidade. Feriado nos EUA: Columbus Day.
Porto Alegre,
segunda-feira, 11 de outubro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Conjuntura

- Publicada em 11/10/2021 às 11h42min.

IPCA para 2021 sobe de 8,51% para 8,59%, projeta Focus

Energia elétrica, combustíveis e alta dos alimentos são fatores que pressionam a inflação

Energia elétrica, combustíveis e alta dos alimentos são fatores que pressionam a inflação


ANDRESSA PUFAL/JC
Após o resultado do IPCA - o índice oficial de preços - de setembro, a projeção do mercado financeiro para a inflação em 2021 passou de 8,51% para 8,59%, acima do teto da meta perseguida pelo Banco Central (BC), conforme o Relatório de Mercado Focus divulgado nesta segunda-feira (11). Há um mês, estava em 8,00%. A projeção para o índice em 2022 foi de 4,14% para 4,17%. Quatro semanas atrás, estava em 4,03%.
Após o resultado do IPCA - o índice oficial de preços - de setembro, a projeção do mercado financeiro para a inflação em 2021 passou de 8,51% para 8,59%, acima do teto da meta perseguida pelo Banco Central (BC), conforme o Relatório de Mercado Focus divulgado nesta segunda-feira (11). Há um mês, estava em 8,00%. A projeção para o índice em 2022 foi de 4,14% para 4,17%. Quatro semanas atrás, estava em 4,03%.
Considerando apenas as 45 respostas nos últimos cinco dias úteis, a projeção para o IPCA de 2021 passou de 8,70% para 8,71%. Para 2022, também foram feitas 45 atualizações nos últimos cinco dias, com a estimativa variando de 4,12% para 4,17%.
O relatório Focus trouxe ainda a expectativa para o IPCA em 2023, que seguiu em 3,25%. No caso de 2024, a previsão permaneceu em 3,00%. Há quatro semanas, essas projeções eram de 3,25% e 3,03%, respectivamente.
O IPCA acelerou de 0,87% em agosto para 1,16% em setembro, abaixo da mediana de 1,25% da pesquisa do Projeções Broadcast, mas dentro do intervalo de 1,02% e 1,33%. Foi a maior taxa para o mês desde 1994 (1,53%). Energia elétrica, combustíveis e alimentação são fatores que pressionam a inflação.
Selic 
Os economistas do mercado financeiro mantiveram suas projeções para a Selic (a taxa básica da economia) no fim de 2021, em 8,25%. Há um mês, estava em 8,00%. Já a estimativa para o fim de 2022 subiu de 8,50% para 8,75%, ante 8,00% de um mês antes.
Considerando apenas as 38 respostas nos últimos cinco dias úteis, a expectativa para a Selic no fim de 2021 permaneceu em 8,25%. Já para 2022, a mediana continuou em 9,00%, considerando as 37 atualizações dos últimos cinco dias úteis.
A estimativa para a taxa Selic no fim de 2023 baixou de 6,75% para 6,50%, mesmo número de há quatro semanas. Para 2024, seguiu em 6,50%, como há um mês.
PIB
O Focus divulgado na manhã desta segunda-feira mostrou manutenção na previsão para a mediana para Produto Interno Bruto (PIB) de 2021 em 5,04%, mesma estimativa de quatro semanas atrás. Para 2022, a previsão de expansão do PIB passou de 1,57% para 1,54%. Quatro semanas atrás, estava em 1,72%.
Considerando apenas as 28 respostas nos últimos cinco dias úteis, a estimativa para a PIB no fim de 2021 passou de 5,09% para 5,01%. Para 2022, foram feitas 28 atualizações nos últimos cinco dias, com a estimativa avançando de 1,55% para 1,49%.
Para 2023, a projeção de crescimento permaneceu em 2,20%, de 2,30% há um mês. Já para 2024, a estimativa baixou de 2,50% para 2,46%, ante 2,50% de quatro semanas atrás.
O Banco Central deixou de publicar, no documento do Focus, as projeções para a produção industrial, devido à pouca quantidade de respostas para esse indicador.
Agência Estado
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO