Porto Alegre, quinta-feira, 07 de outubro de 2021.
Dia do Compositor.
Porto Alegre,
quinta-feira, 07 de outubro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 07/10/2021 às 17h10min.

Petróleo fecha em alta após relato de que EUA não devem liberar reservas

Na Nymex, o contrato do WTI para novembro subiu 1,12% (+US$ 0,87), a US$ 78,30 o barril, já na ICE, o Brent para dezembro, por sua vez, avançou 1,07% (+US$ 0,87), a US$ 81,95 o barril

Na Nymex, o contrato do WTI para novembro subiu 1,12% (+US$ 0,87), a US$ 78,30 o barril, já na ICE, o Brent para dezembro, por sua vez, avançou 1,07% (+US$ 0,87), a US$ 81,95 o barril


FREDERIC J. BROWN/AFP/JC
O petróleo fechou em alta nesta quinta-feira (7) após relatos de que os Estados Unidos não devem liberar suas reservas estratégicas da commodity para segurar os preços no mercado internacional. Além disso, o dia foi de apetite por ativos de risco devido ao alívio de investidores com uma solução provisória para o impasse sobre o teto da dívida americana.
O petróleo fechou em alta nesta quinta-feira (7) após relatos de que os Estados Unidos não devem liberar suas reservas estratégicas da commodity para segurar os preços no mercado internacional. Além disso, o dia foi de apetite por ativos de risco devido ao alívio de investidores com uma solução provisória para o impasse sobre o teto da dívida americana.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato do WTI para novembro subiu 1,12% (+US$ 0,87), a US$ 78,30 o barril. O Brent para dezembro, por sua vez, avançou 1,07% (+US$ 0,87), a US$ 81,95 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).
No começo da sessão, a commodity energética caía, mas esse movimento se inverteu assim que começou a circular entre operadores uma reportagem da Bloomberg segundo a qual o Departamento de Energia dos EUA (DoE, na sigla em inglês) recuou da sinalização de que poderia liberar petróleo bruto no mercado.
Na quarta, a secretária de Energia do país, Jennifer Granholm, havia dito em evento do Financial Times que havia essa possibilidade. De acordo com a agência de notícias, o governo americano informou que também não avalia "neste momento" vetar exportações do óleo.
"Se os EUA liberarem reservas estratégicas para o mercado, isso certamente será um passo de curto prazo para aliviar o atual mercado apertado, que tem sido a principal causa do aumento do preço do petróleo nas últimas semanas", comentou no começo do pregão a analista Louise Dickson, da Rystad Energy.
A consultoria norueguesa frisou que a crise energética já havia estimulado a China a liberar volumes de sua reserva estratégica de petróleo. "Um esforço coordenado, ou não coordenado, mas simultâneo dos EUA e da China, pode ter um impacto de curto prazo no mercado", disse a analista. Dickson, contudo, lembrou que uma oferta maior no mercado só viria com uma decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+).
Enquanto isso, em Washington, o líder do Partido Democrata no Senado, Chuck Schumer, confirmou o acordo com a oposição para elevar o teto da dívida até dezembro e evitar um calote do país, que poderia desencadear uma crise financeira e causar uma recessão econômica.
Agência Estado
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO