Porto Alegre, quarta-feira, 06 de outubro de 2021.
Porto Alegre,
quarta-feira, 06 de outubro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 06/10/2021 às 17h50min.

Moedas Globais: índice DXY do dólar avança; euro tem nova jornada negativa

No fim da tarde em Nova York, o dólar caía a 111,40 ienes, o euro recuava a US$ 1,1558 e a libra tinha baixa a US$ 1,1,3590. O índice DXY subiu 0,31%, a 94,266 pontos

No fim da tarde em Nova York, o dólar caía a 111,40 ienes, o euro recuava a US$ 1,1558 e a libra tinha baixa a US$ 1,1,3590. O índice DXY subiu 0,31%, a 94,266 pontos


NIKLAS HALLE'N/AFP/JC
O índice DXY, que mede o dólar ante uma cesta de moedas fortes, avançou nesta quarta-feira (6). Investidores monitoraram sinais do mercado de trabalho nos Estados Unidos e também os riscos de inflação, enquanto o euro recuou após um dado mais fraco do que o esperado do varejo na região da moeda comum.
O índice DXY, que mede o dólar ante uma cesta de moedas fortes, avançou nesta quarta-feira (6). Investidores monitoraram sinais do mercado de trabalho nos Estados Unidos e também os riscos de inflação, enquanto o euro recuou após um dado mais fraco do que o esperado do varejo na região da moeda comum.
No fim da tarde em Nova York, o dólar caía a 111,40 ienes, o euro recuava a US$ 1,1558 e a libra tinha baixa a US$ 1,1,3590. O índice DXY subiu 0,31%, a 94,266 pontos.
A Western Union afirma em relatório que temores crescentes com a trajetória da inflação têm apoiado a compra de dólares. Ela também comenta que algumas moedas ligadas a commodities eram pressionadas, nesse quadro, além de citar que o euro atingia mínimas em 14 meses frente ao dólar.
Na agenda de indicadores, as vendas no varejo da zona do euro cresceram 0,3% em agosto ante julho, abaixo da previsão de alta de 0,8% dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal. Na Alemanha, houve queda de 7,7% nas encomendas à indústria no mesmo período. Para o Commerzbank, o setor automotivo é o grande fator negativo na economia alemã.
Já nos EUA, a ADP informou que a criação de vagas no setor privado foi de 568 mil em setembro, acima da previsão dos analistas. Agora, há expectativas pelo payroll da sexta-feira, que pode consolidar as apostas de início do processo de redução nas compras de bônus pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano) em breve.
O BBH afirma que os juros dos Treasuries mais elevados nos EUA apoiam o dólar. Ele também citava mais cedo relatos de que democratas se aproximavam de um acordo sobre estímulo fiscal. No noticiário em Washington, o Partido Republicano deve permitir que os democratas elevem o teto da dívida até dezembro, retirando pressão sobre o tema, ao menos por ora.
Agência Estado
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO