Porto Alegre, terça-feira, 28 de setembro de 2021.
Porto Alegre,
terça-feira, 28 de setembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Dívidas

- Publicada em 28/09/2021 às 17h05min.

Inadimplência das micro e pequenas empresas cai 0,9% em agosto, diz Serasa

A região Norte teve o melhor desempenho no balanço, com mergulho de 5,0% no número de insolventes

A região Norte teve o melhor desempenho no balanço, com mergulho de 5,0% no número de insolventes


PROJETADO POR IJEAB - FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC
Em agosto deste ano, 5,33 milhões de micro e pequenas empresas fecharam o mês com o nome no vermelho. O número é 0,9% menor do que o registrado em julho, quando 5,38 milhões de empresas desse porte estavam inadimplentes, de acordo com levantamento da Serasa Experian. O setor industrial e de comércio alavancaram a melhora do indicador, ambos com 1,0% de retração da inadimplência. Já o de serviços também apresentou queda, ainda que menor, de 0,7%.
Em agosto deste ano, 5,33 milhões de micro e pequenas empresas fecharam o mês com o nome no vermelho. O número é 0,9% menor do que o registrado em julho, quando 5,38 milhões de empresas desse porte estavam inadimplentes, de acordo com levantamento da Serasa Experian. O setor industrial e de comércio alavancaram a melhora do indicador, ambos com 1,0% de retração da inadimplência. Já o de serviços também apresentou queda, ainda que menor, de 0,7%.
A região Norte teve o melhor desempenho no balanço, com mergulho de 5,0% no número de insolventes, seguida do Sudeste, com baixa de 0,9%; do Centro-Oeste, com recuo de 0,7%; do Sul, com queda de 0,3%; e do Nordeste, com diminuição de 0,1%.
De acordo com o economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, a melhora nos números pode ter sido causada pela disponibilização, desde de julho deste ano, de linhas de crédito criadas especificamente para a negociação de dívidas de micro e pequenas empresas. "Os donos de negócios estão em busca de auxílio para lidar com suas pendências financeiras. Por isso, o recuo observado não reflete uma melhora para as empresas, mas sim um alívio temporário, já que os empreendedores ainda devem encontrar muitos desafios diante ao quadro econômico do País", ponderou.
Agência Estado
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO