Porto Alegre, quarta-feira, 22 de setembro de 2021.
Início da Primavera. Dia do Contador. Dia Mundial sem Carro.
Porto Alegre,
quarta-feira, 22 de setembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Dívidas

- Publicada em 22/09/2021 às 15h43min.

Ministério da Economia prevê Dívida Bruta de 81,2% em 2021 e de 79,8% em 2022

As projeções constam do relatório de Receitas e Despesas do 4º bimestre, divulgado pelo Ministério da Economia

As projeções constam do relatório de Receitas e Despesas do 4º bimestre, divulgado pelo Ministério da Economia


MARCELLO CASAL JR/AGÊNCIA BRASIL/JC
A equipe econômica prevê que a Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG) encerre o ano de 2021 em 81,2% do PIB e o de 2022, em 79,8% do PIB. As projeções constam do relatório de Receitas e Despesas do 4º bimestre, divulgado nesta quarta-feira (22) pelo Ministério da Economia.
A equipe econômica prevê que a Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG) encerre o ano de 2021 em 81,2% do PIB e o de 2022, em 79,8% do PIB. As projeções constam do relatório de Receitas e Despesas do 4º bimestre, divulgado nesta quarta-feira (22) pelo Ministério da Economia.
Nas informações complementares do Orçamento de 2022, enviadas ao Congresso Nacional em 15 de setembro, a previsão era dos mesmos 81,2% do PIB em 2021 e 79,9% do PIB em 2022.
O relatório também traz revisões em expectativas de receitas e nas projeções de gastos até o fim deste ano, na comparação com o relatório publicado em julho.
A previsão de gastos com benefícios previdenciários em 2021 subiu R$ 3.917,3 bilhões, para R$709,865 bilhões. A projeção para os pagamentos de pessoal e encargos sociais caiu R$ 1,546 bilhões, para R$ 330,808 bilhões.
O gasto previsto com subsídios e subvenções ficou R$ 1,067 bilhão menor, passando para R$ 10,714 bilhões. Já os valores estimados para o pagamento de precatórios e sentenças judiciais neste ano caíram R$ 632,9 milhões, para R$ 20,215 bilhões.
Pelo lado da arrecadação, a estimativa para as receitas com dividendos de estatais aumentou R$ 7,946 bilhões, passando para R$ 25,760 bilhões. Já as receitas previstas com concessões subiram R$ 168,2 bilhões, para R$ 8,369 bilhões.
O relatório também mostra que a projeção para arrecadação com royalties neste ano aumentou R$ 7,721 bilhão, para R$ 88,045 bilhões.
Agência Estado
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário