Porto Alegre, quarta-feira, 28 de julho de 2021.
Dia do Agricultor .
Porto Alegre,
quarta-feira, 28 de julho de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

contas públicas

- Publicada em 18h08min, 28/07/2021.

Dívida Pública Federal sobe 3,07% e fecha junho em R$ 5,329 tri, diz Tesouro

Perspectivas para os próximos meses são positivas, disse Lobarinhas

Perspectivas para os próximos meses são positivas, disse Lobarinhas


MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL/JC
O estoque da Dívida Pública Federal (DPF) cresceu 3,07% em junho e fechou o mês em R$ 5,329 trilhões. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (28), pelo Tesouro Nacional. Em maio, o estoque estava em R$ 5,171 trilhões.
O estoque da Dívida Pública Federal (DPF) cresceu 3,07% em junho e fechou o mês em R$ 5,329 trilhões. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (28), pelo Tesouro Nacional. Em maio, o estoque estava em R$ 5,171 trilhões.
A correção de juros no estoque da DPF foi de R$ 20,58 bilhões no mês passado, enquanto houve emissão líquida de R$ 138,13 bilhões, a maior do ano. O coordenador de operações da Dívida Pública, Roberto Lobarinhas, disse que as perspectivas do Tesouro Nacional para os próximos meses são positivas.  "O mês de julho foi mais volátil, com preocupações dos mercados com a variante Delta do coronavírus e com o crescimento global. O cenário interno também teve volatilidade em julho, com expectativa sobre ajustes da política monetária", completou.
A DPF inclui a dívida interna e externa. A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 3,29% em junho fechou o mês em R$ 5,103 trilhões. Já a Dívida Pública Federal externa (DPFe) ficou 1,77% maior no mês, somando R$ 226,6 bilhões ao fim de junho.
O Tesouro informou ainda que parcela da DPF a vencer em 12 meses apresentou redução, passando de 22,93%, em maio, para 22,48%, em junho. O prazo médio da dívida redução de 3,78 anos, em maio, para 3,73 anos, em junho. O custo médio acumulado em 12 meses da DPF apresentou redução de 7,34% a.a., em maio, para 7,18% a.a., em junho.
A parcela de títulos prefixados na Dívida Pública Federal (DPF) subiu em junho, para 33,33%. Em maio, estava em 32,95%. Já os papéis atrelados à Selic reduziram a fatia, de 35,39% para 35,07%.
Os títulos remunerados pela inflação subiram para 27,13% do estoque da DPF em junho, ante 26,95% em maio. Os papéis cambiais redução na participação na DPF de 4,70% em maio para 4,46% em junho.
A participação dos investidores estrangeiros no total da Dívida Pública voltou a cair em junho. De acordo com dados divulgados pelo Tesouro Nacional, a parcela dos investidores não residentes no Brasil no estoque da Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) passou de 9,87% em maio para 9,71% no mês passado. No fim de 2020, a fatia estava em 9,24%.
Embora a participação relativa tenha caído, o estoque de papéis nas mãos dos estrangeiros somou R$ 495,42 bilhões em junho, ante R$ 487,83 bilhões em maio.
A maior participação no estoque da DPMFi continuou com as instituições financeiras com 30,74% em junho, ante 29,96% de maio. A parcela dos fundos de investimentos passou de 23,91% para 23,63% em junho.
Na sequência, o grupo Previdência passou de uma participação de 23,16% para 22,96% de um mês para o outro. Já as seguradoras passaram de 3,83% para 3,78% na mesma comparação.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário