Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Economia

- Publicada em 21 de Julho de 2021 às 22:06

Ibovespa estende recuperação, em alta de 0,42%, a 125,9 mil pontos, com NY

Oportunidades da bolsa, nos níveis em que se encontram os preços, estão no radar

Oportunidades da bolsa, nos níveis em que se encontram os preços, estão no radar


ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/FOLHAPRESS/JC
Agência Estado
O Ibovespa engatou o segundo dia de recuperação parcial, embora, como ontem, em marcha mais lenta do que a observada em Nova York, com os investidores, por aqui, ponderando dados econômicos, como a forte arrecadação federal em junho como no consolidado do primeiro semestre, e políticos, especialmente a proximidade de nova readequação ministerial para acomodar melhor o Centrão e reforçar o apoio ao governo no Senado, onde tem sofrido derrotas na CPI da Covid. Entre um fator e outro, o índice da B3 fechou nesta quarta-feira não tão distante da estabilidade, em leve alta de 0,42%, a 125.929,25 pontos, entre mínima de 125.246,63 e máxima de 126.111,75 pontos, saindo de abertura aos 125.404,24 pontos.
O Ibovespa engatou o segundo dia de recuperação parcial, embora, como ontem, em marcha mais lenta do que a observada em Nova York, com os investidores, por aqui, ponderando dados econômicos, como a forte arrecadação federal em junho como no consolidado do primeiro semestre, e políticos, especialmente a proximidade de nova readequação ministerial para acomodar melhor o Centrão e reforçar o apoio ao governo no Senado, onde tem sofrido derrotas na CPI da Covid. Entre um fator e outro, o índice da B3 fechou nesta quarta-feira não tão distante da estabilidade, em leve alta de 0,42%, a 125.929,25 pontos, entre mínima de 125.246,63 e máxima de 126.111,75 pontos, saindo de abertura aos 125.404,24 pontos.
Na semana, vindo de perda de 1,24% na segunda-feira, quando prevaleciam temores globais decorrentes da variante Delta sobre a retomada econômica, o Ibovespa limita as perdas a apenas 0,02%, em baixa de 0,69% no mês - no ano, acumula ganho de 5,81%. Enfraquecido como ontem, o giro financeiro desta quarta-feira ficou em R$ 24,7 bilhões.
"Apesar de um ajuste natural na margem, tivemos hoje leitura bem positiva sobre a arrecadação federal em junho, no maior nível para o mês desde 2011, e o melhor primeiro semestre da série histórica. Mas os ruídos políticos atrapalham, e a expectativa de desmembramento na Economia para recriação do Ministério do Trabalho pode refletir uma tentativa de agradar a base, após o veto sinalizado pelo governo ao fundo eleitoral. Lembrando que em agosto, com o fim do recesso, há duas reformas importantes - administrativa e tributária - e possivelmente a privatização dos Correios", diz José Falcão Castro, especialista em renda variável da Easynvest.
"Desde que renovou topo aos 131 mil pontos em 7 de junho, o Ibovespa entrou em correção de curto prazo, por motivos evidentes, inclusive lá fora, com a variante Delta e os temores relacionados a inflação. Depois dos excessos vistos na segunda-feira, também no exterior, os mercados colocaram nessas últimas duas sessões os pés um pouco no chão", acrescenta Castro, destacando, na sessão, a recuperação na casa de 4% observada nos preços do petróleo, que contribuiu para ganhos acima de 1% em Petrobras ON (+1,61%) e PN (+1,39%) no fechamento desta quarta-feira.
Como pano de fundo, no exterior, a variante Delta segue ainda no radar, o que ofuscou em certo momento parte do brilho de uma positiva temporada de balanços corporativos nos Estados Unidos e também na Europa. Assim, embora se espere manutenção da orientação da política monetária na zona do euro, os mercados estarão atentos amanhã à decisão do Banco Central Europeu (BCE) e às declarações de sua presidente, Christine Lagarde, observa Castro.
Na ponta do Ibovespa nesta quarta-feira, destaque para ganho de 8,50% em IRB, de 4,59% em Braskem e de 3,00% em Embraer. Na face oposta, Americanas ON cedeu 5,67%, Lojas Americanas, 5,16%, e Fleury, 2,87%. Entre as blue chips, Vale ON fechou em alta de 1,15%, com desempenho positivo também para as ações de bancos (Santander +1,05%) e siderurgia (Gerdau PN +2,26%, CSN ON +2,22%).
Conteúdo Publicitário
Leia também
Comentários CORRIGIR TEXTO