Porto Alegre, terça-feira, 20 de julho de 2021.
Dia do Amigo.
Porto Alegre,
terça-feira, 20 de julho de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Indústria Automotiva

- Publicada em 18h46min, 20/07/2021. Atualizada em 19h27min, 20/07/2021.

Anfavea estima crescimento "robusto" do setor de veículos somente no segundo semestre de 2022

Maior desafio para os fabricantes é voltar ao mesmo ritmo de produção pré-pandemia

Maior desafio para os fabricantes é voltar ao mesmo ritmo de produção pré-pandemia


CLAITON DORNELLES /JC
Adriana Lampert
Somando quedas de produção, vendas e licenciamentos frente ao cenário pré-pandemia, a indústria automotiva vem ganhando fôlego em 2021 e já prevê crescimento "robusto" para o segundo semestre de 2022. "Com o avanço da vacinação, a pandemia sob controle, a melhora da economia a partir do retorno dos serviços, nossa estimativa é de alcançar a meta de 3 milhões de veículos produzidos ao ano", afirmou o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Carlos Moraes, nesta terça-feira (20).
Somando quedas de produção, vendas e licenciamentos frente ao cenário pré-pandemia, a indústria automotiva vem ganhando fôlego em 2021 e já prevê crescimento "robusto" para o segundo semestre de 2022. "Com o avanço da vacinação, a pandemia sob controle, a melhora da economia a partir do retorno dos serviços, nossa estimativa é de alcançar a meta de 3 milhões de veículos produzidos ao ano", afirmou o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Carlos Moraes, nesta terça-feira (20).
Segundo o dirigente, apesar da "pandemia continuar sendo uma preocupação" para o setor, os sinais positivos geram a expectativa de melhoria no mercado. "Ano que vem tende a ser melhor, porque além da pandemia estar mais estável, com a população vacinada, a produção também deve se estabilizar." 
O dirigente destacou que, no primeiro semestre de 2021, a indústria automotiva brasileira produziu 57,5% a mais que no ano passado, quando todas as fabricantes tiveram que interromper as atividades por até dois meses. A projeção é que a maior alta de produção neste ano ocorra no segmento de caminhões (de 117 mil unidades em 2020 para 138 mil unidades em 2021) e nas exportações (de 353 mil carros para 389 mil). 
Atualmente, o volume anual de veículos que saem das linhas de produção nacionais está na faixa de 2,320 milhões/ano, apesar da capacidade instalada estimada de 5 milhões unidades por ano. Um dos motivos da queda de produção é a falta de semicondutores no mercado global. Segundo Moraes, este problema pode ter impactado na fabricação de mais de 100 mil veículos no primeiro semestre.
"Em junho, a produção do setor foi a pior dos últimos 12 meses (166.947 unidades), em função das várias paradas de fábricas de automóveis ao longo do mês, mas esta situação vem ocorrendo desde o final do primeiro trimestre." Também as vendas do último mês recuaram em relação a maio e abril, com 182.453 automóveis negociados pela indústria. "A baixa oferta de alguns produtos acaba se refletindo nos resultados do mercado interno", destacou o dirigente da Anfavea. Nos seis primeiros meses de 2021, pouco mais de 1 milhão (1.074.173) de unidades foram licenciadas no País. Este número é 33% maior do que no mesmo período de 2020, mas perde em 17,9% para o primeiro semestre de 2019.
Dentre os estados da Região Sul, o Rio Grande do Sul foi o que teve menor resultado, com 53.886 unidades licenciadas nos seis primeiros meses de 2021. Já o Paraná licenciou 74.347 unidades e Santa Catarina  outros 54.566 veículos. Em todo o Brasil, os licenciamentos foram liderados por São Paulo (237.478), seguido por Minas Gerais (220.865). Destaque ainda para o Rio de Janeiro (65.167).
De acordo com o presidente da Anfavea, os segmentos que tiveram melhores resultados em 2021 foram os puxados pelo agronegócio, como máquinas agrícolas, caminhões, pickups, e veículos comerciais leves. "Em cidades onde tem produção de agro, a perda nas vendas em 2020 foi menor – ajuda em tudo, pois movimenta o uso de pickups e automóveis, uma vez que é um setor está gerando renda para a região."
Ao destacar que o retorno das atividades de setores como serviços e comércio pode impactar positivamente no crescimento da indústria automotiva, o dirigente observou que ainda há outras preocupações: "desemprego alto, inflação alta, aumento do aço e das commodities, IPC acima de 8%, IGPM que atinge a indústria em mais de 30%, aumento da taxa de juros, aumento do CDC, que é o principal instrumento de financiamento dos nossos clientes", resumiu.
Moraes sinalizou que a Anfavea deve "brigar por um equilíbrio na carga tributária entre os setores", para que o consumidor de automóveis brasileiros não seja penalizado. "Atualmente, as montadoras estão se esforçando para não repassar preço, mas teve aumento de aço de mais de 100% e isso impactou bastante nos custos das fabricantes", ponderou. O dirigente também lembrou que a perda de produção não foi um fenômeno nacional. "Segundo estudo da BCG, no primeiro semestre de 2020 mais de 3,6 milhões de unidades deixaram de ser produzidas no mundo."
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário