Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Economia

- Publicada em 27 de Maio de 2021 às 12:49

Loja de açaís vence licitação para primeiro terrário urbano de Porto Alegre

Estrutura será montada na esquina da rua Lucas de Oliveira com a avenida Neuza Brizola

Estrutura será montada na esquina da rua Lucas de Oliveira com a avenida Neuza Brizola


PMPA/Divulgação/JC
Área com equipamentos para exercícios físicos, caixa com tubo para prática de skate, espaço para pocket shows sob a árvore, mesas com tabuleiros de dama e xadrez, espaços de contemplação e espaço para uma feira orgânica ou um food truck. Todas essas atividades estão previstas para um pequeno espaço de 215 metros quadrados, na esquina da rua Lucas de Oliveira com a avenida Neuza Brizola, em uma área pública ociosa que será transformada em Terrário Maçaíx, empresa de comércio de açaís com lojas no Brasil, Europa e Oriente Médio. Em Porto Alegre, a empresa já possui duas unidades.
Área com equipamentos para exercícios físicos, caixa com tubo para prática de skate, espaço para pocket shows sob a árvore, mesas com tabuleiros de dama e xadrez, espaços de contemplação e espaço para uma feira orgânica ou um food truck. Todas essas atividades estão previstas para um pequeno espaço de 215 metros quadrados, na esquina da rua Lucas de Oliveira com a avenida Neuza Brizola, em uma área pública ociosa que será transformada em Terrário Maçaíx, empresa de comércio de açaís com lojas no Brasil, Europa e Oriente Médio. Em Porto Alegre, a empresa já possui duas unidades.
Nesta quinta-feira (27), a Prefeitura Municipal informou que a proposta da Maçaíx foi vencedora da licitação para o projeto do primeiro terrário urbano de Porto Alegre, que deverá receber investimento de R$ 22 mil. O projeto, inédito no Brasil, foi desenvolvido pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Urbanismo e Sustentabilidade, onde pequenos espaços públicos serão transformados em ambientes sustentáveis com possibilidade de exploração comercial. 
O projeto contou com a consultoria do Pacto Alegre na definição do modelo econômico de negócio. O Terrário Maçaíx deve ser inaugurado até o final do ano. “A ideia do projeto é manter o local sempre vivo, com espaço para alimentação, atividades de lazer e circulação de pessoas. A iniciativa também tem um caráter educativo, onde práticas sustentáveis possam ser visualizadas, exercitadas e aprendidas pela população”, descreve George Martins, arquiteto responsável.
“Os terrários urbanos são uma demanda da sociedade, que pede espaços com práticas sustentáveis, como utilização de materiais de construção de baixo ou zero emissão de poluentes, utilização de energia renovável e paredes e telhados verdes, entre outras ações que preservam o meio ambiente e contribuem para a redução de emissão de gases de efeito estufa”, explica a diretora de Projetos e Políticas de Sustentabilidade, Rovana Bortolini.
Porto Alegre possui uma centena de pequenos terrenos ociosos com potencial para se transformarem em terrários urbanos. A prefeitura já trabalha no lançamento do segundo edital de terrário urbano, desta vez localizado no bairro Bom Fim, na esquina das ruas Irmão José Otão e Garibaldi. “O projeto faz parte de uma estratégia maior para o uso da população de pequenos espaços públicos interligando as grandes áreas verdes de Porto Alegre, com foco na qualificação urbana e ambiental”, afirma o secretário Municipal do Meio Ambiente, Urbanismo e Sustentabilidade, Germano Bremm.
Terrário Maçaíx
O projeto foi desenvolvido pelo arquiteto George Martins, de acordo com as premissas de sustentabilidade previstas no edital, alinhadas com o conceito da empresa. Estão previstos:
  • Placas solares fotovoltaicas sobre as áreas fechadas;
  • Redução de impacto na formação de ilhas de calor;
  • Telhado verde;
  • Parede verde na lateral do skate box;
  • Uso de potes e embalagens recicláveis e ou reutilizáveis, sem uso de plástico;
  • Vegetação existente e a ser plantada será nativa do RS;
  • Uso de madeira de reflorestamento autoclavada, tratada e certificada;
  • Tintas com baixa emissão de compostos orgânicos voláteis (VOC);
  • Manta de poliéster termofixada;
  • Piso drenante
Conteúdo Publicitário
Leia também
Comentários CORRIGIR TEXTO